Um espaço para compartilhamento das pregações bíblicas anunciadas no púlpito da Igreja Batista Central em Japuiba, na cidade de Angra dos Reis, RJ.

sábado, março 25, 2006

O HÁBITO VEM DA PRÁTICA!

Tiago 1.22-25

- Chegamos a ultima mensagem da série: o ponto de apoio (Josué 1.7,8), desejando mais de Deus (I Pedro 2.2), o peso da Palavra de Deus (Jonas 3.1-11) e agora, proponho falar sobre a prática dos ensinamentos da palavra implantada em nós!

- Vivemos em uma sociedade que privilegia bastante as sensações. O “sentir-se bem” é algo procurado por pessoas sentimentalistas. Na realidade, com o abandono de “verdades absolutas”, o homem pós-moderno, carente de um parâmetro (uma direção para a vida) acabou escolhendo o sentimento para guiar suas pretensões existenciais.

- Steven Connor, vai dizer que: “desde a música ao turismo, à TV e mesmo à educação, todas estas coisas são imperativos da propaganda, e que o consumidor não quer mais aquilo que é bom, mas ele quer experiências”.

- E é nesse contexto hedonista (busca pelo prazer) que a Palavra de Deus precisa se erguer como um “padrão definidor de verdade”. O apelo de Tiago é muito bem feito em nossos dias: devemos ser praticantes da Bíblia e não meramente ouvintes... isso para não entrarmos em contradição com o que somos, com a vida que vivemos, e, sobretudo com o Deus a quem devemos adorar!

FT. Quando você cumpre a Bíblia, e não apenas a ouve:

01. Você passa a se conhecer melhor:

- No verso 22, encontramos um apelo para a formação de um hábito saudável: ser cumpridor (executor, agente, praticante) da Palavra de Deus e não apenas um passivo ouvinte... isso para que não haja engano a respeito de si mesmo:

E sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos... (versão revista e corrigida)

- O auto engano aqui exposto equivale a um conhecimento deficiente de quem se é, enquanto ser humano, leitor da Bíblia Sagrada. Desde os primórdios da fé cristã, o desafio posto continua ser o mesmo: o exame apurado das Escrituras para um entendimento de que o homem é um pecador inveterado e precisa das orientações de Deus para viver bem aqui nesta terra.

- Foi o bispo Butler que disse acertadamente: “A religiosidade não consiste no conhecimento e na crença, nem mesmo em verdades fundamentais, e, sim, em sermos levados a certa atitude e conduta”.

a) Se não houver prática, você se engana, pensando ser bom em si mesmo.

- O homem é um ser depravado totalmente. Há dentro de nós uma miséria fétida que nos impede de aproximarmos de Deus por nossos próprios méritos. É sabido que, quando olhamos para dentro de nós, nenhum bem vemos. É o que cantamos: “se tu olhares, Senhor, pra dentro de mim... nada encontrará de bom...”

- A sua bondade é um nada diante de Deus que lhe conhece por dentro, e sabe que a sua pretensão em ser sábio, na realidade é uma desculpa para você mesmo se esquecer de sua tolice para com as coisas de Deus!

b) Se não houver prática, você se engana, pensando que a sua razão lhe aproximará de Deus.

- Thomas de Kempis, monge alemão, do séc. XV, disse algo interessante: “Na leitura das Escrituras, prejudica-nos muitas vezes nossa curiosidade, porque pretendemos compreender e discutir o que se devia passar singelamente. Se queres tirar proveito, lê com humildade, simplicidade e fé, sem aspirares à reputação de sábio”.

- Tenho que lhes falar do perigo dos liberais que “arruinados pelo racionalismo, se tornaram incapazes de receber a Bíblia como a Palavra de Deus para o homem, aceitando-a apenas como a palavra do homem a respeito de Deus”. (Geoffrey Thomas)

- A razão humana é limitada em sua tentativa de entender o mistério da Palavra de Deus. A Bíblia não é Palavra de Deus porque isso foi conferido pelo homem, mas sim, porque o próprio Deus afirma isso. Não se trata meramente de autoridade reconhecida pela mente humana, mas sim, autoridade que ultrapassa o entendimento humano... isto porque a origem da Bíblia está em Deus!

Ilust. Um jovem africano, convertido, orou certa noite desta forma: "Ó Senhor, Tu és a Agulha e eu sou a linha!" Ele havia visitado, naquele dia, uma escola onde assistiu a muitasmeninas costurando. Ele notou que a linha sempre seguia a agulha e viu, naquela simples tarefa, uma verdade espiritual profunda. Se ele ficasse perto do Senhor, orando, lendo SuaPalavra, dependendo completamente dele, seria sempre conduzido pelo Espírito de Deus. a comunhão total com Deus nos impedirá de ficar frustrados quando interrompemos onosso serviço para lhe perguntar o que deseja que façamos a seguir

FT. Quando você cumpre a Bíblia, e não apenas a ouve:

03. Você se relaciona com Cristo do modo correto:

23 Aquele que ouve a palavra, mas não a põe em prática, é semelhante a um homem que olha a sua face num espelho 24 e, depois de olhar para si mesmo, sai e logo esquece a sua aparência. (nvi)

- A metáfora do espelho é interessantíssima: tenho para mim, que o “espelho’ aqui representa a Cristo. Há quem olhe para Cristo e apenas se lamenta pelo seu estado atual de feiúra espiritual, e outro olham para Cristo e vêem nele um modelo a ser seguido.

- Champlim vai dizer: “... a ilustração fala sobre o tipo de homem que trata a religião cristã como um dever social, como uma curiosidade ou obrigação, mas que não é uma pessoa espiritualmente séria”.

a) Há muitos que olham para o espelho, não gostam do que vêem, mas logo se esquecem...

- Os espelhos nesse tempo eram feitos de metal, modelado e altamente polido. Quando se olha no espelho vê-se a situação atual, e mesmo quando não se gosta, não se tem como mudar. Agora, quando olhamos no “espelho de Cristo” a nossa contemplação repetida e constante, produzirá a transformação de nossa imagem em algo que seja semelhante a imagem do próprio Cristo!

- Na história de Branca de Neve, há alusão a um espelho falante que testemunhava ou não se havia alguém mais linda do que a Rainha Má. Usando essa figura eu diria que o espelho da nossa razão nos impõe a cada dia a um veredicto invertido: será que existe alguém pior do nós?

- C. H. Spurgeon em uma mensagem “A si mesmo se Humilhou” com base em Filipenses 2.8 disse: Uma compreensão do admirável amor de Cristo possui mais tendência de humilhar-nos do que a compreensão de nossa própria culpa. O orgulho não pode subsistir da cruz. Assentemo-nos ali e aprendamos nossa lição. Depois, levantemo-nos e a coloquemos em prática.”

b) Olhar para o espelho da vida, sem se espelhar em Cristo pode levá-lo à depressão.

- O deprimido é alguém que se torna abatido, triste, cheio de melancolia, desanimado porque do alto foi empurrado para baixo. Hoje, a depressão é apontada pela Organização Mundial de Saúde como a quinta maior questão de saúde pública. Em 2020, deverá ser a segunda, depois justamente das doenças cardíacas. Ou seja, os laços entre os dois distúrbios tendem a ser mais estreitos.

- É triste mas, uma das estratégias cruéis do Diabo é fazer-nos conscientes de nossa feiúra e se aproveitar disso para insistentemente nos “colocar para baixo”... e isso acontece sobretudo, quando lidamos com a vida cristã de maneira imatura: muito conhecimento e pouca vivência prática.

- Gente que olha para o espelho e percebe-se carente de uma profunda reforma, mas na hora de se definir cria barreiras para uma tomada de decisão mais radical do lado de Deus e Sua palavra. A intenção é a melhor das melhores, mas sem obediência qualquer boa intenção povoa o inferno! Foi Calvino quem disse: “a obediência é a mãe do verdadeiro conhecimento de Deus”.

Ilust. A lenda de Narciso, surgida provavelmente da superstição grega segundo a qual contemplar a própria imagem prenunciava má sorte, possui um simbolismo que fez dela uma das mais duradouras da mitologia grega. Narciso era um jovem de singular beleza, filho do deus-rio Cefiso e da ninfa Liríope. No dia de seu nascimento, o adivinho Tirésias vaticinou que Narciso teria vida longa desde que jamais contemplasse a própria figura. Indiferente aos sentimentos alheios, Narciso desprezou o amor da ninfa Eco - segundo outras fontes, do jovem Amantis - e seu egoísmo provocou o castigo dos deuses. Ao observar o reflexo de seu rosto nas águas de uma fonte, apaixonou-se pela própria imagem e ficou a contemplá-la até consumir-se. A flor conhecida pelo nome de Narciso nasceu, então, no lugar onde morrera. Em outra versão da lenda, Narciso contemplava a própria imagem para recordar os traços da irmã gêmea, morta tragicamente. Foi, no entanto, a versão tradicional, reproduzida no essencial por Ovídio em Metamorfoses, que se transmitiu à cultura ocidental por intermédio dos autores renascentistas. Na psiquiatria e particularmente na psicanálise, o termo narcisismo designa a condição mórbida do indivíduo que tem interesse exagerado pelo próprio corpo.

FT. Quando você cumpre a Bíblia, e não apenas a ouve:

03. Você descobre a riqueza de uma vida abençoada.

25 Entretanto aquele que atenta bem para a lei perfeita, a da liberdade, e nela persevera, não sendo ouvinte esquecido, mas executor da obra, este será bem-aventurado no que fizer. (versão revisada)

- Que texto fabuloso: quem atenta bem (“crer e observar, tudo quanto ordenar, o fiel obedece ao que Cristo mandar!), e não é ouvinte esquecido mas executor da obra (operoso praticante) é bem aventurado (rico, prospero, feliz).

a) A benção está em atentar bem para os princípios de Deus.

- Trata-se de uma lei moldada pelo próprio Cristo... é a lei de Moisés atualizada pelos valores de Cristo... uma versão dC... segundo Champlim “essa lei fornece um ´reflexo perfeito´... o homem se vê como é... e vê a Cristo como ele é... e diz... ´quero ser como ele é´”.

- Quem conhece as Escrituras e teme a Deus não fica satisfeito com o atual estado em que se encontra... o homem sem Deus como tenho dito tem como norma de vida o caos. Mas, quando se “atenta bem” para a lei perfeita logo “tudo se faz novo”.

- A lei perfeita é a da liberdade... não há espaço para o “regrismo das religiões humanas”... tudo é feito na base da liberdade que é levada cativa aos pés de Jesus. Você é livre para escolher a que senhor deseja servir! Logo, é uma liberdade que abre portas das bênçãos espirituais fechando as portas da pretensão humana em merecer alguma coisa das mãos de Deus!

- É como diz R.C. Sproul comenta: “O cristão que busca uma experiência mais profunda de Deus, ignorando as duras palavras das Escrituras, não chega a parte alguma.”

b) A benção está em praticar no dia a dia os conselhos de Deus.

- É transformar o que se lê nas Escrituras como estilo de vida. Tem quatro tipos de pessoas que entram em nossas igrejas: a) aqueles que entram, mas não agem; b) aqueles que agem, mas não entram; c) aqueles que entram e agem e d) aqueles que nem entram e nem agem. Os dois primeiros são tipos indiferentes, o terceiro é o “operoso praticante” e o quarto é alguém que está distante de Deus!

- A Bíblia não é um livro para ser defendido... e ela que nos defende... Lutero com razão disse: "A Palavra de Deus é viva. Isto significa que ela vivifica aqueles que nela crêem. Portanto, devemos correr para ela antes de perecermos e morrermos."

- Tenho pensado nesse tema ultimamente... o que devemos fazer em meio a tanto pouco caso com a Bíblia e as coisas de Deus? Uma resposta que tenho perseguido é: devemos afirmar categoricamente a clareza das Escrituras para uma vida que de fato, agrade ao coração de Deus.

Ilust. Numa igreja na Inglaterra, o pastor resolveu proibir os cânticos para mostrar que a adoração é mais do que música: após isso, o ministro de música da igreja, Matt Redman, compôs a clássica Heart of worship (“coração da adoração”):

“Trarei a ti mais que uma canção,
porque a canção em si não é o que exigiste.
Sondas meu interior,
muito além das aparências.Estás olhando dentro do meu coração.”

sexta-feira, março 17, 2006

O PESO DA PALAVRA DE DEUS!

Jonas 3.1-11

- Tenho falado esse mês sobre a Bíblia. Há vários testemunhos incríveis sobre as Escrituras Sagradas. A atuação dela sobre vidas que se repousam em sua autoridade, clareza, necessidade e suficiência é incrivelmente registrada na história.

- Jonas aqui no texto tem um segundo encontro com a palavra do Senhor. A palavra de Deus atingiu em cheio a vida de Jonas pela primeira vez, levando-o ao limite de suas forças, e derrotando-o em sua teimosia diante da ordem de Deus. Agora, pela segunda vez, a palavra o toca para o cumprimento de sua missão pessoal.

- Quando há o encontro de um homem com a palavra de Deus algo de sobrenatural acontece. A pessoa passa a sentir o peso (valor, importância, apreço) da Palavra de Deus. E, isso deve nos levar a defender a inerrância das Escrituras.

- Segundo Kenneth Kantzer, “a Bíblia, assim como Martinho Lutero nos ensinou muitos
anos atrás, é o berço pelo qual o Cristo vem a nós. Se tirássemos o bebê do berço e o
colocássemos na rua, ele morreria. E se o berço fosse instável e fraco, ele prejudicaria a
segurança do bebê. Da mesma maneira, a doutrina da inerrância é a salvaguarda de uma fé
cristã saudável e completa.”

- Na caminhada de Jonas por toda a grande cidade de Nínive, Deus o surpreendeu com um sucesso estupendo de sua pregação. Tudo isso para sinalizar que a Palavra de Deus tem o poder para dar um novo sentido à vida do homem sem Deus.

FT. O peso da palavra de Deus fará você:

01. Crer em Deus com toda a amplitude do seu ser:

3 Jonas obedeceu à palavra do SENHOR e foi para Nínive. Era uma cidade muito grande{1}; sendo necessários três dias para percorrê-la.

- Dentre tudo o que li sobre essa expressão “sendo necessários três dias para percorrê-la” me pareceu melhor a seguinte explicação:

# Na realidade, a antiga Nínive tratava-se de um agrupamento de quatro cidades (Ninrude, Kuyunjik, Khorsabada e Keramles), com 150 estádios de comprimento, 90 de largura e 480 de circunferência. A cidade era circundada por uma muralha interior com 15 m de espessura e 30 m de altura, sendo tão largos que três carros podiam andar lada a lado sobre eles. Eram fortificados com 1500 torres, cada uma com 61 m de altura.

- A cidade de Nínive experimentou um avivamento provocado pela proclamação da Palavra de Deus. O verso 5 começa dizendo assim: Os ninivitas creram em Deus. Para circundar toda a extensão de conjunto de quatro cidades seria necessário percorrer 97 km, em uma média bastante comum à época, daria algo em torno de 32 km por dia, isso daria algo em torno de “3 dias de caminhada”.

Jonas entrou na cidade e a percorreu durante um dia, proclamando: "Daqui a quarenta dias Nínive será destruída".

- Em outras palavras: daqui a quarenta dias, a cidade será virada de cabeça para baixo”.

- O primeiro efeito do contato sincero com a palavra de Deus é esse... mesmo que o contexto seja de denúncia e o tom seja rigoroso... o que faz a diferença é o teor da palavra que balança o coração humano, estraçalhando toda e qualquer resistência humana.

- Além de que, é obvio que Jonas tenha usado o seu drama pessoal (naufrágio, grande peixe e experiência de ser vomitado) para ilustrar sua mensagem de condenação. A mensagem de Jonas deve efeitos permanentes na vida do povo daquela cidade (cerca de um milhão de pessoas).

- Mas, embora o mensageiro (Jonas) estivesse pouco interessado nos resultados de sua mensagem... O comentarista Page Kelley diz que “era uma mensagem sem compaixão...”, o que temos de destacar é que no verso dois se destaca na ordem de Deus: "Vá à grande cidade de Nínive e pregue contra ela a mensagem que eu lhe darei".

a) Quando a mensagem é de Deus, os efeitos são controlados pelo próprio Deus.

- “Os homens creram em Deus”. E a expressão “acreditar em” no hebraico indica mais do que simplesmente crer no que alguém disse, expressa a idéia de confiar numa pessoa.

- Não adianta: a Palavra de Deus é cortante... como está registrado em Hebreus é mais penetrante do que espada de dois gumes!!!

Pois a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais afiada que qualquer espada de dois gumes; ela penetra até o ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e intenções do coração. (4.12)

- Tudo isso surpreendeu o próprio mensageiro... mas, quando a palavra é de Deus é sempre assim... supera a incredulidade do próprio anunciante... Um dos maiores desafios da vida é deixar-se ser surpreendido por Deus através da realidade transformadora de sua Palavra.

b) Quando a mensagem é de Deus, homens e mulheres redefinem seu “centro de vida”.

- Assim como o sol é o centro do universo, e os demais planetas de nossa galáxia giram em torno dele, Deus precisa ser o centro da vida de todos os homens. A expressão “creram em Deus” pode ser entendida como “redefiniram suas vidas”.

- O homem sem Deus vive uma vida vazia de sentido, onde a orientação de sua vida é em cima do vazio de seu próprio ser. Ravi Zacharias vai dizer algo interessante sobre o principio de que quando se encontra um “por que” para a vida, suporta-se qualquer “como”:

“Se sou uma criação de Deus, então a vida deve ser considerada sagrada. Mas se eu sou produto do puro acaso, pode-se profanar o corpo, pois a própria vida é dispensável”.

- Nesse tempo mais do que nunca, temos precisado de homens e mulheres que deixem de crer em si mesmos (em seus jeitinhos, pensamentos, opiniões pessoais) e passem a crer unicamente em Deus. Crer é aderir a um novo projeto de vida: crer em Deus é aderir ao projeto de Deus para a vida, abrindo mão de projetos pessoais!

Ilust. Um medico cristão estava lendo sua Bíblia assentado num banco da praça, quando um senhor se aproximou e reconhecendo o médico disse:- Não posso crer que o senhor, com sua cultura, consiga ler e acreditar num livro como esse!- Por quê? Perguntou o médico.- Por que nem sabemos quem escreveu este livro. Eu não acredito numa coisa que nem sequer saiba quem escreveu.O medico olhou fixamente para o homem e perguntou-lhe:- O senhor acredita e usa a tabuada?- Sim. uso-a freqüentemente.O senhor sabe quem escreveu a tabuada?- Não, não sei, respondeu o incrédulo.- Como é então que o senhor acredita e usa algo que o senhor nem sequer sabe quem escreveu? Perguntou-lhe o médico.O homem embaraçado teve uma idéia brilhante e respondeu:- É que a tabuada funciona, e tudo mundo sabe disto.- Meu amigo, disse o médico, a Bíblia também funciona muito bem.E eu poderia mostrar centenas de pessoas que tiveram suas vidas modificadas pela Palavra de Deus. Seus ensinos são vida para quem os coloca no coração.

FT. O peso da palavra de Deus fará você:

02. Sentir de perto o sopro da humildade:

- Dos versos 5 a 8 o que percebemos são demonstrações inequívocas de humilhação daquele orgulhoso povo. Os ninivitas eram conhecidos pelas suas barbaridades sanguinárias. O orgulho daquele povo era a sua marca registrada, de certo modo eles se sentiam inexpugnáveis.

- Uma inscrição de Tiglate Pileser II glorifica os crimes de sangue: “Tiglate Pileser, o grande rei, o poderoso rei, o rei das nações, o poderoso guerreiro que, no serviço de Assur, seu senhor, com seus odiadores, pisou sobre seus adversários como se fossem barro, varreu-os como uma inundação e reduziu-os a sombras”. (G. Smith)

- Mas, nada mantém-se de pé diante da palavra de Deus! Ela derruba a auto suficiência do orgulho e depõe os que pensam que possuem algum valor em si mesmo. Repare só:

a) O sopro da humildade foi imediatamente percebido após a conversão.

- Quem se converte de verdade não tenta esconder os seus pecados, e muito menos procura transferi-los para outros... ele confessa e deixa. Foi isso o que aconteceu, no verso 5 encontramos:

Proclamaram um jejum, e todos eles, do maior ao menor, vestiram-se de pano de saco.

- Na cultura do mundo antigo não havia demonstração maior de humildade do que “vestir-se de saco”. Champlim comenta que “os antigos vestiam-se com roupas feitas de tecido grosseiro e negro, a fim de expressarem a sua tristeza”. Era geralmente feito de pelo de cabra... simbolizando a rejeição de qualquer conforto ou prazer terreno.

- Foi um espetáculo de consternação nacional! Fico a pensar no fato de que muita gente já parece vacinada em relação ao evangelho... de vez em quando rola uma lágriminha e outra... mas, é só isso... nada mais... Está na hora de você experimentar de fato uma grande lamentação pelos seus grandes pecados, vestindo-se de saco...

- Se existe algo que confere status até nos nossos dias é a roupa. Até mesmo a moda impõe princípios arrojados como aquele que diz “você é o que você veste”... agora, quando suas defesas espirituais são expostas, você nem se importa mais com o seu exterior... daí a expressão “vestiram-se de pano de saco”... trata-se de uma sábia despretensão com o exterior.

b) Os efeitos do toque do sopro da humildade são ilustrados pela ascensão decadente do “rei da cidade”.

- Considero por demais interessante o processo pelo qual viveu o rei de Nínive: se levantou do trono, se despiu, cobriu-se de saco e sentou-se sobre as cinzas. T. Desmond Alexander diz que “levantando-se do trono e trocando seus mantos reais por pano de saco, o rei senta-se no chão no meio do pó ou cinza (...) assim, ele simboliza sua fragilidade e inutilidade humanas.”

- O rei chama para si o peso da responsabilidade por estar guiando o povo em direção oposta ao plano de Deus. E a reação real não fica por aqui: ele convoca um jejum que inclui até mesmo os animais! (vv. 7,8)

...Não é permitido a nenhum homem ou animal, bois ou ovelhas, provar coisa alguma; não comam nem bebam! 8 Cubram-se de pano de saco, homens e animais. E todos clamem a Deus com todas as suas forças. Deixem os maus caminhos e a violência.

- Não era incomum no mundo antigo incluir até mesmo os animais em convocações para jejum. Obviamente o peso aqui de “conversão” não os inclui, mas a idéia aqui é desprezo para com a nutrição pessoal e de todo ser vivo a que se é responsável. É um completo esvaziamento de si mesmo para aplacar a ira divina.

- Essa “ascensão decadente” do rei precisa tocá-lo para um quebrantamento tão forte de seu coração a ponto de você reconhecer os seus pecados e assumir uma postura de mudança de atitude frente à constatação do quanto distante você se encontra de Deus.

- Tenho aqui algumas frases sobre arrependimento:

· O arrependimento é uma fonte perene, na qual as águas de uma tristeza santa estão
sempre fluindo.Thomas Brooks

· Arrependimento é a lágrima nos olhos da fé. D. L. Moody

· Nosso orgulho sente desgosto por nossas falhas, e muitas vezes confundimos esse
desgosto com o verdadeiro arrependimento. François Fenelon

· Na verdade, nunca se arrependeu do pecado aquele cujo coração ainda não se voltou
contra todo pecado. Thomas Brooks

· O arrependimento começa na humilhação do coração e termina na reforma da vida. John Mason

FT. O peso da palavra de Deus fará você:

03. Aceitar que Deus está disposto a mudar o seu destino:

- A atitude de arrependimento de toda Nínive foi sobre uma esperança:

9 Talvez Deus se arrependa e abandone a sua ira, e não sejamos destruídos"

- Deus sempre está disposto a rever sua punição aquele que rever sua postura de vida. Eu fico com o teólogo Augustus Strong: “O sol não é inconstante ou parcial porque derrete a cera e endurece o barro. A mudança não é devida ao sol, mas aos objetos que recebem os seus raios”.

- Ora, não se trata de Deus ter mudado de opinião... o autor do texto trabalha com palavras humanas o verso 10: Tendo em vista o que eles fizeram e como abandonaram os seus maus caminhos, Deus se arrependeu e não os destruiu como tinha ameaçado.

- Na realidade já estava implícito na mensagem que Deus havia mandado Jonas anunciar de que se houvesse uma mudança de atitude por parte do povo, seu juízo seria retirado, afinal de contas, “o propósito da advertência é provocar o arrependimento”.

a) Deus muda o destino de quem é alvo de sua misericórdia.

- O comentarista Page Kelley é bastante taxativo: “Ninive foi salva não porque ela se arrependeu, não porque orou, não porque creu, mas por causa da infinita misericórdia e graça de Deus”.

- É perigoso darmos uma ênfase exagerada e humanista em relação ao fato de que, o arrependimento cabe ao homem, a suspensão do juízo é obra e graça de Deus... e é Ele que dá a palavra final. Paulo vai dizer aos Romanos 9.18: Portanto, Deus tem misericórdia de quem ele quer, e endurece a quem ele quer.

- A misericórdia do Senhor é resultado puramente de sua vontade em nos abençoar com bênçãos que independem dos nossos merecimentos. Nada que você faça será suficiente para “pagar” o que Deus fez por você ao enviar o seu filho (O Jonas perfeito) para anunciar salvação para a sua vida!

- Você é salvo pela graça e não porque você simplesmente se emocionou ao ouvir uma mensagem evangelística e veio à frente! Infelizmente vejo pessoas que ainda não perceberam-se alvos da misericórdia divina por isso ficam ainda reféns de uma religiosidade bitolada e legalista, onde o “fazer” ainda supera o “ser”!

b) Deus muda o destino para exaltação de sua própria glória e poder.

- A mensagem implícita que Deus queria dar a Jonas era o seguinte: apesar de sua má vontade em anunciar... quem muda a vida das pessoas é a minha palavra e não a sua voz! Eu detenho todo o poder... em mim, está o “querer e o efetuar”, como diria o apóstolo Paulo:

...pois é Deus quem efetua em vocês tanto o querer quanto o realizar, de acordo com a boa vontade dele. (2.13)

- Daí termos que destacar para terminarmos o principio da “imutabilidade divina”. Pegando uma carona com Grudem, entendo que essa verdade pode ser assim sintetizada: “Deus é imutável no seu ser, nas suas perfeições, nos seus propósitos e nas suas promessas.”

- Ele não muda, seu ser, perfeições, propósitos e promessas estarão sempre focando em homens e mulheres que ao sentirem o peso de Sua Palavra creiam em Deus na amplitude do ser, sentem de perto o sopro da humildade e aceitam que Deus está próximo de mudar o seu destino!
Ilust. Martinho Lutero: Os amigos queriam que ele tomasse algum remédio. “Estou partindo e, em breve, vou render o meu espírito”, disse Lutero, repetindo três vezes: “Pai, nas tuas mãos entregou o meu espírito, porque Tu me redimiste, Tu, Deus da Verdade”. Então, ficou completamente imóvel, não respondendo às perguntas que lhe dirigiam, até que, friccionando seu pulso com uma solução revigorante, o Dr. Jones lhe disse ao ouvido: “Reverendo, o senhor permanece com Cristo e com as doutrinas que tem pregado? Elas resistem à agonia da morte?” “Sim! Sim! Mil vezes, sim!”, gritou Lutero e, virando-se, adormeceu.

sábado, março 11, 2006

DESEJANDO MAIS DE DEUS!

I Pedro 2.2

“desejai como meninos recém-nascidos, o puro leite espiritual, a fim de por ele crescerdes para a salvação”. (Revisada)

“Desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos, o leite racional, não falsificado, para que por ele vades crescendo:” (Revista e Corrigida)

“Como crianças recém-nascidas, desejem de coração o leite espiritual puro, para que por meio dele cresçam para a salvação,” (NVI)

“Sejam como criancinhas recém-nascidas, desejando sempre o puro leite espiritual, para que, bebendo dele, vocês possam crescer e ser salvos”. (BLH)

“Como crianças recém-nascidas, desejem o leite puro da Palavra, a fim de que vocês, com esse leite, cresçam para a salvação,” (Ed. Pastoral)

- Em todas as versões bíblicas citadas o foco central é o mesmo: o crescimento espiritual só acontece quando há um desejo por mais de Deus. Deve haver no coração de cada pessoa humana um desejo de cultivar um relacionamento mais intimo com Deus no dia a dia!

- Ontem mesmo eu estava lendo a citação completa de uma frase bem conhecida de Blaise Pascal: “Havia antigamente no homem uma alegria verdadeira, de que sobrevive agora apenas uma marca, um traço completamente vazio, que ele, em vão, quer encher com tudo que lhe rodeia, procurando nas coisas ausentes o socorro que não pode obter das coisas presentes, mas são incapazes disso, porque esse abismo infinito não pode ser preenchido senão por um objeto infinito e imutável, isto é, por Deus mesmo”.

- Há no coração de todo homem e de toda mulher algo que poderíamos denominar de “elo perdido” que liga a Deus. Esse vazio é existencial e, mais cedo ou mais tarde sufoca a fé, estrangula a esperança e decepa a realização pessoal. Daí a necessidade de uma vida pautada pela Palavra de Deus.

- Quero me ater nessa noite sobre esse desejo insaciável do homem por Deus. Esse tema tem feito com que muitos estudiosos da alma humana fiquem perdidos em suas conclusões precipitadas e insatisfatórias. Alguém tinha razão em dizer que “o homem é um ser incuravelmente religioso”.

- Esta carta de Pedro foi remetida a cristãos que estavam fugidos em contexto de perseguição... eles haviam testemunhado o cumprimento bíblico de que em Jerusalém não ficaria “pedra sobre pedra”. (comandante Tito, ano 70 dC, cidade em chamas, ouro derretido nas pedras da cidade) “O Duplo Chamamento”de Christian Chen.

- Toda essa realidade apocalíptica fez com que um eco do apóstolo chegasse até aos níveis mais gritantes: desejem a Palavra de Deus como nenês em processo de crescimento! Afinal de contas, Deus se tornaria acessível a todos os homens, primeiramente através de Jesus e depois através de sua Palavra escrita, a Bíblia.
01. Esse desejo por mais de Deus deve ser algo intenso em sua vida:

- O verso começa assim: desejai como meninos recém-nascidos... desejai afetuosamente, como meninos novamente nascidos... A idéia que nos passa é de um recém-nascido que suspira desesperadamente pelo leite, bem como do aconchego do seio materno!

- A intensidade do nosso desejo por Deus deve ser algo semelhante. A despeito do tempo em que eles eram crentes, para crescerem espiritualmente eles deveriam manter o anelo pela Palavra de Deus, tal como uma criança recém-nascida anela pelo leite materno.

- Quantas vezes você tem permitido que o dia a dia, as questões que lhe deixam completamente envolvido em sua agenda pessoal apague no seu interior o seu desejo intimo pelas coisas de Deus. Há quem hoje em dia só se preocupe com o mundo e seus valores! Para estes “viver é sofrer”, enquanto para os que possuem a Deus, “o viver é Cristo”.

- Ravi Zacharias pontua algo interessante: “Quando o homem vive sem Deus, o caos é a norma. Quando o homem vive com Deus, como este é revelado na encarnação de Jesus Cristo, os famintos de mente e de coração são satisfeitos”.

a) Para ser intensa, a busca por Deus deve ser diária!

- Não pode haver brechas em sua vida em seu código de prioridades: Deus, você, família, igreja. Seu desejo por Deus deve ser tão intenso quanto o seu anseio pela respiração. O nenê quando se alimenta de leite materno não precisa de qualquer outro alimento ou líquido: sua saúde está garantida!

- Estava lendo essa semana um livro de discipulado para jovens de Jim Burns: “A cada dia, Deus toma cada uma das nossas 24 horas e procura nos conceder uma vida realmente abundante. Agora veja: 24 horas representam 1440 minutos. Se você dedicar 20 minutos ao Senhor, os outros 1420 serão bem melhores...”

- Tudo é uma questão de priorização na vida: ou você vive para agradar a si mesmo, tendo uma agenda egoística ou você vive para agradar a Deus, alterando o foco de sua vida para as coisas realmente importantes na vida que não são coisas, mas são realidades espirituais!

b) Para ser intensa, a busca por Deus deve ser urgente!

- Sempre quando se ouve uma mensagem em que se exorta para um comprometimento maior com Deus é muito comum Deus ouvir a sua oração: “Ta bom, Senhor, de agora em diante eu vou me acertar...”. Mas, infelizmente nada acontece até o momento em que se ouve uma outra mensagem e a mesma oração é feita... e esse processo não se esgota... Para de decidir, está na hora de você se definir!!!

- Um comentarista vai dizer sobre este verso: : “A Palavra de Deus é viva. Isso significa que torna vivos os que crêem nela. Portanto, temos de correr para ela antes que pereçamos e morramos”.

- È isso: é questão de vida ou morte! Não dá para ficar no meio do caminho. Você já tem estragado por demais os seus dias com questões que já não estão trazendo para você nenhum proveito em termos espirituais. Você tem precisado desejar de maneira mais intensa manter um relacionamento intimo com Deus e a Sua Palavra!

Ilust. Ele veio à minha mesa com lábios trêmulos; a aula tinha terminado. "O senhor me dá uma folha nova, professor? Esta aqui eu estraguei". Peguei a sua folha cheia de manchas e borrões e lhe entreguei uma outra limpa. Mas, ao se coração fatigado clamei:"Veja se faz melhor agora, meu filho".

Para o trono de Deus eu fui, meu coração tremia; o dia tinha terminado. "Senhor, podes dar-me um novo dia? Este eu estraguei". Ele pegou o meu dia cheio de manchas e borrões e me entregou um outro limpo. Mas ao meu coração fatigado clamou: "Veja se faz melhor agora, meu filho".

02. Esse desejo por mais de Deus deve ser algo especifico em sua vida:

- O verso prossegue dizendo: desejem como recém nascidos o puro leite espiritual, o leite racional, não falsificado, o leite puro da Palavra. Não se trata de qualquer leite... tem que ser o leite puro, não adulterado, não falsificado, não misturado, da Palavra de Deus.

- Vivemos um tempo em que são muitos os que tem misturado o leite da Palavra de Deus com interpretações particulares, filosofias e pensamentos humanos. É preciso uma atenção redobrada para não se tomar mais água do que leite, ou pior ainda, veneno misturado ao leite!

- Lutero no Natal do ano de 1522, preocupado com as suas ovelhas, para que elas não ficassem tão admiradas de suas interpretações a ponto de menosprezarem as Escrituras disse em uma de suas mensagens:

“Por isso, avante, avante, queridos cristãos, e deixem que a minha interpretação, bem como a de todos os mestres, sejam apenas andaime para a boa construção, a fim de apreender a verdadeira e pura palavra de Deus, prová-la e permanecer com ela.”

a) Fique atento, o leite para ser bom deve ser sem a mistura do fanatismo denominacional!

- O fanatismo denominacional tem matado, e mostrado uma face que Jesus não imaginou para o cristianismo. Quanto ódio armazenado no coração de gente que, pode até ser bem intencionada, mas acaba perdendo a razão ao sacrificar àqueles que pensam diferente em questões menores da fé! (pergunta de alguém na sexta, “por que tantas assembléias de deus?” “por que tantas batistas?”).

- O comentarista Champlim vai explicar melhor: “Para Pedro, assim sendo, leite, não representa a doutrina e a experiência cristã em seus estágios elementares, e, sim, a totalidade da nutrição espiritual, da qual todos precisamos, e sem a qual não poderemos crescer de forma alguma”.

- O leite aqui no texto, não tem a ver com diferenças denominacionais, mas sim com algo muito mais profundo: caráter. Um crente com caráter, independente de sua denominação evangélica irá espelhar a glória de Deus em sua face. Ao passo, que um crente sem caráter, pode ter fé ortodoxa, mas será um escândalo para a fé simples dos crentes!

b) Fique atento, o leite para ser bom deve ser sem a falsificação dos falsos evangelhos!
- Existem por aí, falsos evangelistas, que andam pregando um evangelho libertino, do “pode tudo”, um cristianismo sem a cruz, um evangelho sem renúncias pessoais, sem santificação, pela qual, ninguém verá o Senhor... como diz a Palavra de Deus.

- Sem a Palavra de Deus como guia jamais conheceremos plenamente a vontade de Deus para as nossas vidas. Grudem vai dizer isso: “Na verdade, se não existisse a Palavra escrita de Deus, não poderíamos alcançar a certeza da vontade de Deus por nenhum outro meio, fosse consciência, conselhos de outras pessoas, testemunho intimo do Espírito Santo, mudanças das circunstâncias ou o uso da razão e do bom senso santificados”.

- A Bíblia é o alimento para o faminto, a água para o sedento, o porto seguro para o andarilho, a bússola para o navio em alto mar, o mapa para o caminhante, a luz para o cego espiritual, a música para os ouvidos dos surdos, o amparo para os desamparados, enfim, a direção para quem “esperança” é apenas nome de novela!

Ilust. www.aleitamento.org.br: Em muitos países,particularmente no Oriente Médio, oeste da América do Sul e norte daÁfrica, as mulheres colocam leite nos olhos de suas crianças para tratar infecções oculares. Não sei se este medicamento tem sido testado cientificamente,
mas existem razões teóricas para acreditar que funcione. Provavelmente, deve funcionar pelo menos algumas vezes ou a prática teria sido abandonada.

... Considerando-se tudo isto, o leite materno é verdadeiramente um líquido fascinante que supre as crianças com muito mais do que simples nutrição. Ele as protege contra infecções até que elas possam se defender sozinhas.

03. Esse desejo por mais de Deus deve ser algo objetivo em sua vida:

- O texto segue assim: desejem como recém-nascidos o leite espiritual da Palavra a fim de por ele crescerdes para a salvação, para que, bebendo dele, vocês possam crescer e ser salvos, a fim de que vocês, com esse leite, cresçam para a salvação.

- Reparem na expressão: “a fim de que”... isso implica em um objetivo já determinado: o fim de tudo é o crescimento para a salvação. A ênfase aqui está no estágio final de nossa salvação que é a glorificação. Na Bíblia entendemos que a salvação envolve a regeneração (eu fui salvo), justificação (eu sou salvo), santificação (eu estou sendo salvo) e glorificação (eu serei salvo).

- Segundo a Declaração Doutrinária da CBB: glorificação é o “ponto culminante da obra da salvação. É o estado final, permanente, da felicidade dos que são redimidos pelo sangue de Cristo”.

a) Somos glorificados para termos certeza de nossa salvação em Cristo Jesus!

- Não se perde a salvação. Deus não é um brincalhão irresponsável que nos salva e depois fica nos inspecionando para ver se “merecemos” persistir salvos. Podemos nos sentir seguros quanto à nossa salvação, não pelos nossos méritos, mas pela promessa do Pai de que aquele que se invocasse o nome do Senhor seria salvo.

- Essa certeza da salvação nos coloca em posição de eternamente agradecidos a Deus. A gratidão expulsa do coração humano todo e qualquer sentimento de rancor ou amargura, que poderiam minar nosso contato com Deus. Somos salvos e crescemos no entendimento dessa salvação bebendo o “leite da Palavra”.

- Pensando nisso que a Confissão de Fé Batista, de 1689 vai dizer que: “Todo o conselho de Deus, concernente a todas as coisas necessárias para a sua própria glória, para a salvação do homem, a fé e a vida, está expressamente declarado ou necessariamente contido na Sagrada Escritura. A ela nada em tempo algum se acrescentará, quer por nova revelação do Espírito, quer por tradições dos homens”.

b) Somos glorificados para mantermos uma relação de amor que se estenderá por toda a eternidade!

- Reli essa semana um livro que comprei a cerca de 13 anos: “Lei, Graça e Santificação”, de Russel Shedd. Nele o autor comenta que há duas maneiras de se ler a Bíblia: para cumprir a sua obrigação enquanto crente, na motivação de aprender subsídios para o bem viver, bem como fatos históricos e ler como se estivesse relendo uma carta de uma pessoa amada.

- Lembrei-me logo da história de uma moça que comprou um livro, mas não se importou muito com ele, até o momento em que conheceu um rapaz por quem se apaixonou. E qual não foi a sua surpresa ao descobrir que o alvo de sua paixão havia sido o escritor do livro esquecido em sua estante de livros!

Ilust. Quero terminar com algumas frases sobre a Bíblia:

- “A qualificação mais importante exigida do leitor da Bíblia não é erudição, mas, sim,
rendição; não perícia, mas disposição de ser guiado pelo Espírito de Deus.” Martin Anstey

- “Quanto mais reverência tivermos pela Palavra de Deus, mais alegria encontraremos nela.” Matthew Henry

- “Diante da Palavra, todos precisam ceder”. “Minha consciência é escrava da Palavra de Deus.” Martinho Lutero

- “Muitos livros em minha biblioteca estão agora desatualizados. Foram bons enquanto eram
novos, à semelhança das roupas que usei quando tinha dez anos de idade; mas eu cresci e
as deixei para trás. Ninguém jamais deixa para trás as Escrituras por ter crescido; esse livro
se amplia e é mais conhecido à medida que passam nossos anos.” C. H. Spurgeon

sábado, março 04, 2006

O PONTO DE APOIO PARA MUDAR A SUA VIDA!

Josué 1.7,8

7 Somente seja forte e muito corajoso! Tenha o cuidado de obedecer a toda a lei que o meu servo Moisés lhe ordenou; não se desvie dela, nem para a direita nem para a esquerda, para
que você seja bem-sucedido por onde quer que andar. 8 Não deixe de falar as palavras deste Livro da Lei e de meditar nelas de dia e de noite, para que você cumpra fielmente tudo o que nele está escrito. Só então os seus caminhos prosperarão e você será bem-sucedido.

- Para inspirar o tema da mensagem deste domingo, me recordei do que foi dito por Arquimedes, “dê-me uma alavanca e um ponto de apoio que eu moverei o mundo”, mas de nada vale uma alavanca se não houver um ponto de apoio! Tem muita gente tentando alavancar a sua vida, mas em vão, isso porque lhe falta um ponto de apoio!

- Na Wikipédia: As escritas a respeito das alavancas datam do 3º século aC. e foram criadas por Arquimedes. “dê-me uma alavanca e um ponto de apoio e eu moverei o mundo” uma observação de Archimedes que indique formalmente o princípio matemático correto das alavancas (citadas por Pappus de Alexandria ).

- Nesse tempo mais do que nunca temos verificado a necessidade de avaliarmos nossas condutas e pensamentos pela Bíblia, afinal de contas, vivemos na era dos extremos: tirania da razão e ditadura das emoções. Repare na frase que colhi de um flog na semana passada: “Faça de sua consciência seu árbitro. Não permita que a consciência de outros dirija sua mente e coração.”

- Só que o texto lido reitera justamente o contrário: quem deve ser árbitro na sua mente não é a sua consciência, mas “o livro da lei”. É interessante que lei tem a ver com “conduta, prática, comportamento, postura, instrução”, enfim...

- O procedimento “que faz da nossa mente um padrão mais elevado de verdade que a Palavra de Deus, está na raiz de todo pecado intelectual”. (Grudem) Ele comenta também que a Bíblia não é apenas “verdadeira”, mas ela é o padrão definitivo da verdade. Logo, a verdade é o que Deus diz; e na Bíblia temos o que Deus diz (de maneira exata, mas não exaustiva).

FT. Para a Bíblia ser o ponto de apoio para mudar a sua vida:

1. Você precisa manter uma relação intima com a Bíblia:

- - Para uma meditação diária nas Escrituras, você precisa conhecer o processo da ruminação: “A alimentação dos animais Os bovinos, os ovinos e os caprinos são ruminantes. O
seu estômago especial permite-lhes digerir aquilo que o
Homem não pode consumir: a erva. A ruminação: mastigar duas vezes
O estômago dos ruminantes é formado por quatro bolsas: a pança, o barrete, o folhoso e a coalheira. Cada bolsa tem um papel bem preciso na digestão. Quando a vaca come erva, engole muito depressa e quase não a mastiga. Ele enche assim a sua pança, a bolsa maior do seu estômago: a pança pode levar 200 litros! Em seguida, o animal rumina. A ruminação é, na verdade, uma segunda mastigação. Graças aos movimentos de contracção da pança, uma parte do conteúdo desta bolsa vai voltar a subir até à boca em pequenos jactos, através de uma espécie de soluço. O animal mastiga então calmamente aquilo que engoliu à pressa da primeira vez, e saliva muito. As fibras ficam assim mais finas
e podem ser fermentadas* depois de voltarem à pança. A segunda bolsa, chamada barrete, filtra as fibras da erva. O barrete retém as fibras grossas que devem voltar à pança para
serem reenviadas para a boca. A ruminação continua até que todas as fibras tenham saído do barrete.”

- Cito esse processo como determinante, uma vez que o verbo “meditar” aqui no texto equivale a “ruminar” no nosso pensamento em português. Fique atento sobre os benefícios de quem medita (ou rumina) nas Escrituras:

a) No contato intimo com a Bíblia o crente adquire nutrição.

- Rick Warren vai dizer: “A Bíblia é muito mais do que um manual de doutrinas. A Palavra de Deus gera a vida, cria a fé, produz mudanças, afugenta o Diabo, realiza milagres, cura feridas, edifica o caráter, transforma as circunstâncias, transmite alegria, supera a adversidade, derrota a tentação, infunde esperança, libera poder, limpa nossas mentes, cria as coisas e nos garante o futuro eterno!”

- Eu quero pontuar essa fala do Rick, mas fazendo um adendo que julgo ser significativo. Muita gente hoje vive dizendo que é possível viver a vida cristã sem regras, sem dogmas, sem limites doutrinários, e tudo... mas, quero pontuar algo que li em um artigo de Charles Grimm:

“A palavra doutrina vem do termo latino docere, que quer dizer ensinar. A palavra credo, que também vem do latim, significa "eu creio". E a palavra dogma vem do vocábulo grego dokeo, que significa pensar. Portanto, uma pessoa sem dogma, nem credo e nem doutrina é uma pessoa que não pensa, não crê e não ensina. Porém, se você tiver de pensar alguma coisa, crer em alguma coisa e ensinar alguma coisa, então, meu amigo, você precisará de dogma, credo e doutrina. Essa é a substância que forma o fundamento da fé cristã

b) A reverência para com o texto bíblico não é uma das disciplinas de crescimento, é a disciplina.

- Rick Warren: “Toda vez que sentir que não está aprendendo nada com o sermão ou com um professor da Bíblia, você deve verificar sua disposição interior, especialmente em relação ao orgulho. Deus pode falar até mesmo por meio do professor mais enfadonho quando você é humilde e receptivo.”

- Hoje o que está em moda é falar em termos de “pluralismo religioso”, ninguém quer assumir o fato de que, como temos a revelação de Deus por escrito na Bíblia, temos o dever de anunciar o Evangelho como algo singular, único e inigualável.

- Tenho aqui uma citação de um texto que tenho usado como base para pensar os desafios de lidar em uma sociedade pluralista: “Como um povo da verdade, os cristãos devem resistir à tentação de ficarem em silêncio e de terem que assumir uma vida de padrões duplos. O silêncio e a hipocrisia podem minar a verdade, e o cristianismo pode vir a cair no descrédito. Além disso, estaremos minando o conceito de verdade se "todas as verdades são igualmente verdadeiras."”

c) Deve-se aprender a ler a Bíblia não somente a nosso favor, mas sobretudo “contra nós”.
- Eu tenho para mim que essa fala tem a ver com algo dito por Bonhoeffer, mas para ler a Bíblia “contra nós”, é preciso assimilarmos suas confrontações e assumirmos o fato de que ela é o padrão definitivo de toda verdade.

- Num mundo sem pecado, a Bíblia seria facilmente identificada como Palavra de Deus, mas porque o pecado distorce a percepção da realidade das pessoas, elas não reconhecem as Escrituras como o que elas realmente são. “Por esse motivo, e necessária a obra do Espírito Santo, sobrepujando os efeitos do pecado, permitindo que sejamos convencidos de que a Bíblia é de fato a Palavra de Deus e que as afirmações que ela faz de si mesma são verdadeiras”. (W. Grudem)

- Pensando ainda no pluralismo, pelo artigo de Héber Carlos de Campos:

“Havia um antigo princípio no cristianismo pré-moderno: "Se você tem o ensino correto, certamente terá experiência com Deus." É o ensino correto a respeito de Deus que o levará a um relacionamento correto com Ele. Mas a ordem foi invertida. O novo princípio do cristianismo pós-modernista é: "Se você experimenta Deus, você terá o ensino correto." Em outras palavras, é a experiência que você teve com o sobrenatural que lhe dará as diretrizes que deve seguir. Não há qualquer padrão de verdades estabelecidas que você deva seguir. Elas virão dependendo de sua experiência. Ao invés da verdade objetivamente revelada determinar a validade da experiência, é a experiência que determina a doutrina.’

FT. Para a Bíblia ser o ponto de apoio para mudar a sua vida:

2. Você precisa ditar a sua vida pelo padrão das Escrituras:

- Eu vou distribuir aos jovens da classe de EBD um texto que recolhi na Internet que fala sobre “a difícil escolha entre a ética e a estética”. Em resumo o texto desdobra-se sobre os seguintes pontos principais: o mundo ressalta o belo, a Bíblia o certo; o mundo opta pelo prazer instantâneo, a Bíblia pela certeza da eternidade; o mundo preocupa-se com a aparência, a Bíblia com a essência.

- Tenho para mim que, ter isso como referencial é a única forma de não sermos engolidos por esse mundão que tem desalojado Deus do centro de todas as coisas. Cada vez mais a letra da música antiga do Rebanhão está atual: “esse mundo está virado do avesso, ninguém sabe onde é o fim e o começo...”!

a) Assimile as verdades bíblicas pertinentes ao momento que você está vivendo.

- As pontes, na compreensão de J. Stott: “Eu vejo a comunicação cristã como um trabalho de construção de pontes; precisamos construir pontes entre o mundo bíblico e o mundo moderno. Se não fizermos isso, somos rejeitados como sendo totalmente irrelevantes. Portanto, precisamos encontrar meios de fazer o Evangelho tocar na vida doshomens e mulheres comuns aí fora.”

- Não dispenso absolutamente o uso da mente para a compreensão dos enigmas bíblicos. O que reitero é que é a Bíblia que deve lhe ajudar a compreender o mundo... e não o mundo que deve ser seu padrão de verdade para compreender a Bíblia. E isso faz muita diferença!!!

b) Concentre-se na mente de Deus, em meio a essa “loucura” de vida que vivemos.
- “É comum as pessoas me perguntarem quanto tempo passo meditando ou rezando. Eu respondo que medito de manhã, à noite e durante o dia todo. Surpresas, elas me dizem que só um super homem é capaz disso. “Pelo contraio”, eu digo, “super homem é quem não faz isso e consegue viver em um mundo com tantas e tão poderosas influências que atentam contra a espiritualidade”. (Reverendo Michael Beckith)

- Essa fala me deixa sem dúvida alguma inclinado a admitir que, sem reflexão séria nas Escrituras, nunca haverá equilíbrio na sua vida. Sua vida será como uma cadeira de balanço: muito movimento e nenhum deslocamento! É a realidade do homem se Deus em nosso século... muita badalação, mas sem nenhuma conquista na vida!

c) Encontre nas Escrituras força para mudanças de postura.

“...porque então farás prosperar o teu caminho, e então prudentemente te conduzirás”

“...Desse modo, você será bem sucedido em seus empreendimentos e sempre terá sucesso.”

“...Se fizer isso, tudo lhe correrá bem, e você terá sucesso”

- Todo sucesso começa em casa. Quais estão sendo os desdobramentos de seu contato com a Bíblia para o seu relacionamento conjugal? E sua postura com filho? Como pai? Como mãe? Como irmã(o)? Cada vez mais eu penso que a origem de toda essa loucura que a gente percebe por ai, deve-se a fragmentação dos valores familiares!

- Algumas dicas de um homem de Deus, C. H. Spurgeon: “Quando sair em um feriado, não tire férias da santidade”. “Mais vale a Bíblia guardada na memória, do que na estante”. (C. H. Spurgeon)

Ilust. Não importava quão cansados estivéssemos da noite anterior, minha mãe e meu pai
insistiam para que fossemos à igreja no domingo pela manhã. Isso fazia parte das nossas vidas
tanto quanto comer e dormir. Quanto fui para a faculdade, eu mal podia esperar até tomar
minhas próprias decisões. Uma delas era ir à igreja apenas quando me fosse conveniente.
Aos poucos, comecei a me desviar da minha fé e abraçar coisas mais mundanas, tão
abundantes em um campus universitário. Depois de me formar, continuei meus caminhos
mundanos. Então, meu mundo mudou com a morte inesperada de meu pai. Em minha primeira noite em casa, enquanto tentava adormecer, uma forte necessidade de orar tomou conta de mim. Assim que comecei a orar, me acalmei e soube que podia dormir. Hoje compreendo o valor dos alicerces sobre os quais meus pais construíram minha vida. Quando me voltei para Deus, Ele estava me esperando. Agora, minha fé me é tão importante quanto comer e dormir e estou construindo fortes alicerces para os meus filhos. (Don Kamps, “no cenáculo”, leitura do dia 04/03/2006)

sábado, fevereiro 18, 2006

O SENTIDO DA MORTE NO SENTIDO DA VIDA

Eclesiastes 9.1-10


- Eu tenho aqui uma poesia inspirada em uma citação de Jonh Donne (“por quem dobram os sinos”): Sinos para Marcantonio de Marcus Accioly.

- O tema da morte tem povoado a mente de toda a humanidade nesses milênios todos de existência no planeta Terra. Divagações filosóficas tem sido empreendidas para se compreender esse enigma, mas os resultados tem sido insatisfatórios. Só o “mistério da fé” é que tem sido um porto seguro para, se não compreender, ao menos visualizar sentido na morte.

- A proposta dessa mensagem é pensar junto com o Pregador que o sentido da morte está no sentido da vida. E a busca humana por um sentido permanente da vida é o grande desafio para quem deseja viver uma fé que capacite o homem pós-moderno a não se perder nos labirintos científicos que, vez por outra, nos afastam de Deus e de Suas Escrituras.

- Não podemos viver sem um significado, porque não podemos viver sem esperança... o combustível da vida é a esperança e o desabrochar de sonhos em nosso coração... Hans Burki vai dizer que “mesmo que proclamemos a ausência de significado em todas as coisas, isto se transforma no nosso significado. É a maneira negativa de buscar o sentido definitivo”.

FT. Encontra-se o sentido da morte no sentido da vida quando:

01. Crê-se radicalmente na soberania de Deus. (vv. 1,2)

1 Refleti nisso tudo e cheguei à conclusão de que os justos e os sábios, e aquilo que eles fazem, estão nas mãos de Deus. O que os espera, seja amor ou ódio, ninguém sabe. 2 Todos partilham um destino comum: o justo e o ímpio, o bom e o mau{1}, o puro e o impuro, o que oferece sacrifícios e o que não os oferece. O que acontece com o homem bom, acontece com o pecador; o que acontece com quem faz juramentos, acontece com quem teme fazê-los.

- À grosso modo o que parece uma avaliação fatalista da vida, acaba sendo um reconhecimento de que há alguém o controle de tudo. Daí o texto afirmar: “aquilo que eles fazem, estão nas mãos de Deus.”. A palavra “mãos” é símbolo de poder absoluto.

- Não se pode relativizar o domínio de Deus sobre todas as coisas criadas! Ele é Deus! E, não pode ser Deus sem ser o Absoluto. Sei que, temos que destacar também a imanência, o relacionamento mais próximo de Deus... mas, eu tenho um palpite de que o liberalismo fala muito da proximidade de Deus, para não ter que se confrontar com o seu Poder Julgador! É o medo do Absoluto!!!

- A fala de Calvino é poderosa: “Gratidão nos pensamentos pelo resultado favorável das coisas, paciência na adversidade e também incrível liberdade da preocupação com o futuro- tudo isso é conseqüência necessária desse conhecimento (...) A ignorância da providência é a maior de todas as misérias; a bem-aventurança mais sublime reside em conhecê-la”.

- O nosso entendimento da doutrina da providência divina nos tira do pedestal, reportando-nos ao nosso lugar de criatura, e não de criador, de tudo. Deus é o iniciador e o acabador de todas as coisas. Todas as coisas primárias e secundárias nascerem de seu coração. Ele é soberano!!!

- E como entender então o sofrimento. Vou apresentar uma proposta em cima desse pensamento do Pregador:

- Tenho aqui um recorte de um artigo interessante de Hans Brandenburg: “Não resolveremos o enigma de nosso sofrimento, se não estivermos dispostos a reconhecer sinceramente que grande parte dos males de nossa vida, muitas decepções e amarguras teriam sido poupadas, a nós a aos demais, se tivesse sido outra a nossa conduta”.

a) O sofrimento precisa lhe levar a um quebrantamento diante de Deus.

- Deus na maioria das vezes, quer nos levar ao limite de nós mesmos para nos ensinar de fato o que Ele tem planejado para nós. O homem dos nossos dias não tem estado aberto para as coisas de Deus com simplicidade. A mente cheia de questionamentos, não se rende ao espetacularmente simples de Deus!

- Nesse ano, quero fazer-lhe um desafio: leve mais a sério a sua comunhão com Deus, no silêncio da madrugada, dos olhos marejados de lágrimas, das orações não respondidas do seu modo, nas esperanças que insistem em falhar...

- Tenho aqui uma frase interessante: “O navio ancorado no porto está em segurança, mas não foi para isso que se fizeram navios”. O que isso significa: você precisa ter ousadia para navegar por mares nunca antes navegados... e faça isso, com a certeza de que a um coração quebrantado, o nosso Deus não resiste! Faz parte do script de Deus navegar junto com pessoas que não se limitam aos “portos da vida.”

b) O sofrimento vai provocar em você um crescimento em seu caráter.

- Deus cumprirá sempre a parte dele no acordo feito no Calvário que incluiu a sua vida. Jesus prometeu que estaria “ligadão” até a consumação dos séculos. Ele tem feito a parte dele e a sua? A sua é descansar nessa certeza e viver uma vida que exale o perfume dos princípios eternos do Evangelho: paz, alegria, amor, solidariedade, compreensão, e tudo mais.

Ilust. - Era uma vez uma pequenina e delicada flor, desabrochada à beira de um passeio apedregulhado. Um dia o pedregulho disse: “- Flor amiguinha, sinto um delicioso perfume embalsamando o ar. De onde provirá ele? “- Alguém andou sobre mim, respondeu a florinha. Tenho o corpo ferido, e daí o perfume.” “- Você quer dizer que isso aconteceu porque alguém andou sobre você? Perguntou o pedregulho. “- Sim! Disse a flor.” “- Isso é estranho, murmurou o pedregulho. Tanta gente anda sobre mim o dia inteiro, e eu me torno cada vez mais duro, mais duro...” “- Oh! volveu a florinha, vale o estofo (material) de que se é feito”.

FT. Encontra-se o sentido da morte no sentido da vida quando:

02. A morte é vista como uma estação na nossa caminhada, e não o ponto final:

3 Este é o mal que há em tudo o que acontece debaixo do sol: o destino de todos é o mesmo. O coração dos homens, além do mais, está cheio de maldade e de loucura durante toda a vida; e por fim eles se juntarão aos mortos. 4 Quem está entre os vivos tem esperança;{2} até um cachorro vivo é melhor do que um leão morto! 5 Pois os vivos sabem que morrerão, mas os mortos nada sabem; para eles não haverá mais recompensa, e já não se tem lembrança deles. 6 Para eles o amor, o ódio e a inveja há muito desapareceram; nunca mais terão parte em nada do que acontece debaixo do sol. 7 Portanto, vá, coma com prazer a sua comida e beba o seu vinho de coração alegre, pois Deus já se agradou do que você faz. 8 Esteja sempre vestido com roupas de festa{3}, e unja sempre a sua cabeça com óleo. 9 Desfrute a vida com a mulher a quem você ama, todos os dias desta vida sem sentido que Deus dá a você debaixo do sol; todos os seus dias sem sentido! Pois essa é a sua recompensa na vida pelo seu árduo trabalho debaixo do sol. 10 O que as suas mãos tiverem que fazer, que o façam com toda a sua força, pois na sepultura{4}, para onde você vai, não há atividade nem planejamento, não há conhecimento nem sabedoria.

- Se existe algo certo na vida, é a inevitabilidade da morte. Todos nós um dia a encontraremos, mais cedo ou mais tarde. Sei que essa não é uma afirmação muito querida de quem ainda vive o frescor da juventude. Mas, o Pregador não deixa de ter razão: essa sim é uma questão de destino: teremos de lidar com a nossa morte.

- Existem pessoas que se preparam para tudo na vida: para o curso superior, casamento, nascimento do primeiro filho, prognósticos profissionais, enfim para tudo: menos para a morte. Mas o fato é que a morte que os homens tanto temem, apenas é a separação entre corpo e alma; mas a morte que os homem não temem, é a eterna separação de Deus.

- Vamos ao que os versos acima tem para nos dizer sobre a morte:

a) Quando Deus está “fora da jogada” na nossa vida, só há espaço para o fatalismo.

- Por isso que vem a expressão “até um cachorro vivo é melhor do que um leão morto!”... só se pode compreender essa máxima à luz da crueza de uma vida marcada muito mais pela realidade do caos humano, do que pelas potencialidades de uma vida vivida em Deus. Afinal de contas, somente quando o natural encontra seu limite, o sobrenatural surge como possibilidade real.

- O mundo tem tentado desalojar Deus da sua agenda, e quem entra nessa paranóia do “Deus está morto”, e “Viva a sociedade alternativa”, acaba encontrando consigo mesmo em seus sentimentos mais primitivos. Tem que haver mente renovada por Deus para lidar bem com tudo isso.

- Não podemos nos esquecer do texto paulino do “não vos conformeis com este mundo”,e a palavra grega para “amoldar” é susquematizeste que a raiz da palavra “esquema”. Em outras palavras, o texto diz: “não entrem no esquema deste tempo”. A palavra para mundo não é kosmos, mas aion, que vem a ser “era, época”.

b) Na esfera humana, deve-se viver intensamente na expectativa de deixar algum legado.

- Destaco isso dos versos lúgubres: “...pois os vivos sabem que morrerão, mas os mortos nada sabem; para eles não haverá mais recompensa, e já não se tem lembrança deles. 6 Para eles o amor, o ódio e a inveja há muito desapareceram; nunca mais terão parte em nada do que acontece debaixo do sol...”.

- Salientei para trabalhar paralelo com o texto a fim de elucidar considerações sobre a vida, à luz de Guimarães Rosa: “A cada hora, de cada dia, a gente aprende uma qualidade nova de medo”... “O correr da vida, embrulha tudo, A vida é assim... Esquenta, esfria, Aperta e daí afrouxa, Sossega e depois desinquieta, O que ela quer da gente, é coragem”.

- A vida passa muito rápido, e a gente precisa aprender a examinar o nosso tempo na vida como uma oportunidade para marcar a nossa geração com os nossos valores. Saúde um dia perderemos, dinheiro também (se é que um dia vai se ter!), prazer, um dia findará em sua expressão mais jovial... agora, os valores são eternos... eles sobreviverão à você!!!

- É muito triste saber que muita gente passa pela vida, mas não vive. Há pessoas que limitam sua vida a enxergar o mundo de forma muito caótica... nada faz sentido para estes... se há limites, reclamam dos limites... se não há limites, não se sentem amados e cuidados... é o caos!!! Tenho lidado com pessoas assim, não sabem aproveitar a liberdade que possuem em Cristo... para estes liberdade se resume à libertinagem!

- Mas e quando a morte vem... e ai.... como ficará???? O que fazer quando na vida inteira se viveu uma vida sem sabor, sem cheiro, sem graça??? Por isso o Pregador adverte: vivam a vida, curtam bastante, façam tudo o que estiverem em mãos para fazer... façam a vida valer a pena!!! Isso porque vocês um dia serão esquecidos (seol)...

7 Portanto, vá, coma com prazer a sua comida e beba o seu vinho de coração alegre, pois Deus já se agradou do que você faz. 8 Esteja sempre vestido com roupas de festa{3}, e unja sempre a sua cabeça com óleo. 9 Desfrute a vida com a mulher a quem você ama, todos os dias desta vida sem sentido que Deus dá a você debaixo do sol; todos os seus dias sem sentido! Pois essa é a sua recompensa na vida pelo seu árduo trabalho debaixo do sol. 10 O que as suas mãos tiverem que fazer, que o façam com toda a sua força, pois na sepultura{4}, para onde você vai, não há atividade nem planejamento, não há conhecimento nem sabedoria.

- Termino aqui com uma frase de Henry Nowen: “Sentir-se irrelevante é uma experiência muito mais comum do que imaginamos quando olhamos para a nossa sociedade aparentemente autoconfiante. A tecnologia e o trágico aumento de abortos podem, até radicalmente, diminuir o número de deficientes mentais em nossa sociedade, mas já é visível que mais e mais pessoas estão sofrendo de profundas deficiências morais sem ter idéia alguma de onde podem procurar a cura.”

Ilust. Em um palácio na cidade de Londres, certa noite houve um discurso de véspera de Natal
feito pelo rei George VI à Comunidade Britânica. Sua citação, durante aqueles difíceis dias para a Grã Bretanha e para o mundo, após a Segunda Guerra Mundial, ficou gravada na memória daqueles que ocupavam posições de liderança naquele período histórico: "Eu disse ao homem junto ao Portal do Ano:"Dá-me uma luz, para que eu possa andar com segurança para o desconhecido". Ele me disse: "Sai para as trevas, e põe tua mão na mão de Deus, e isto será para ti melhor do que uma luz, e mais seguro do que o que te é conhecido". Quando o rei disse essas palavras, seus ouvintes não sabiam que ele estava morrendo de câncer. Aquelas palavras serviriam de uma âncora durante o período de sua enfermidade.







Sinos para
Marcantonio
Marcus Accioly advogado, professor, poeta da nova geração pernambucana, autor de Cancioneiro (1968), Sisífo (1976), Narciso (1980), Poética: pré-manifesto ou anteprojeto do realismo épico (1977) e Íxion, teatro (1978).
Os sinos não param nunca –
jamais param de tocar
(marcantonio-marcantonio)
tangem (tristes) devagar
dentro e fora do silêncio
que se torna a voz do mar
(marcantonio-marcantonio)
água entre espuma (escoar
de búzios) ecos nas conchas
surdas de tanto escutar
(marcantonio-marcantonio)
os sinos tentam contar
à morte (através da vida)
que o som do pó vai ficar
(marcantonio-marcantonio)
os sinos querem falar
à vida (através da morte)
que é cada estrela um lugar
e o céu (sobre a terra) um sino
(que a Mão de Deus faz pulsar)
até quando (John Donne)
até quando vão dobrar?
(e por quem dobram os sinos
que parecem nos chamar?)
dobram por mim e por ti
e (por ele) vão vazar
nossos tímpanos de dores
com uma canção de ninar
quem não se acorda do sonho
nem vai do sono acordar?
(ai de nós) o bronze pesa
e o metal voa ao soprar
sua elegia (uma pena)
mais leve que a luz e o ar
(marcantonio-marcantonio)
os sinos não vão finar
“nunca mais” e para sempre
(dia e noite) irão soar
(pois morremos cada morte
por quem em nosso lugar)
Olinda, 19 de agosto de 2000.

QUAL É O LUGAR DE DEUS NA SUA VIDA?

Eclesiastes 11.9-12.7

- Assumi o desafio de preparar quatro mensagens no livro de Eclesiastes. Especialistas vão dizer que “o Eclesiastes é misto de reflexões em prosa e de sentenças em versos”, e “o argumento geral da reflexão é a vaidade das coisas humanas; a insensatez da excessiva solicitude pelos bens terrestres, marcadamente as riquezas e os prazeres; a moderação em todas as coisas, quer na busca do bem-estar e da própria virtude, quer na fruição das alegrias que Deus difundiu na vida presente.”

- O pensamento básico do livro é de que, quando se retira Deus do cenário da vida humana o resultado é uma secura da alma, é uma sensação de que tudo o que se viveu... de fato, foi uma pura desilusão. A palavra traduzida como “vaidade”, não implica no sentido a que estamos acostumados em nosso dicionário que diz respeito à “presunção”, mas sim no sentido hebraico de “passageiro, fugaz”.

- Vivendo já no clima mundano do carnaval, que nada mais do que a “festa da carne”, onde a carnalidade dos instintos mais primitivos (parafraseando Roberto Jefferson) ficam todos à mostra... é oportuno pensar que o prazer não pode esvaziar a consciência de que um dia todos nós prestaremos contas diante de Deus dos nossos atos e motivações mais interiores. Não adianta.

- O evangelho liberal, se é que eu posso chamá-lo de evangelho é retratado nesse texto lido, como a opção de muitos que, por não reconhecerem absolutos, sobretudo o absoluto divino, acabam sendo reféns do niilismo, vivendo vidas fúteis e sem sentido, como Raul Seixas já preconizava “uma metamorfose ambulante”.

- Vive-se o niilismo ético quando se afirma que não existem valores genuínos; a moralidade e os valores seriam artificiais, servindo a pessoas e a classes, mas nada tendo a ver com a verdade. (Champlim). O Pregador, alter ego de Salomão, um editor que trabalha no livro de Eclesiastes vai desenvolver nessa porção bíblica que se Deus não tiver um lugar cativo no coração do homem, o que fica é um vazio existencial, o “nada”, um nihil!

- Observemos pois, com piedade apurada essa exposição bíblica como um protesto ao pensamento pós-moderno que tem trabalhado para relativizar absolutos, negar autoridades constituídas e implantar uma realidade catastrófica, dividida em dois senhores implacáveis: a tirania da razão e a ditadura dos sentidos.

FT. Considere o lugar de Deus na sua vida:

01. Levando em conta que um dia você se encontrará com o “justo juiz”. (vv. 9,10)

9 Alegre-se, jovem, na sua mocidade! Seja feliz o seu coração nos dias da sua juventude! Siga por onde seu coração mandar, até onde a sua vista alcançar; mas saiba que por todas essas coisas Deus o trará a julgamento. 10 Afaste do coração a ansiedade e acabe com o sofrimento do seu corpo, pois a juventude e o vigor são passageiros.

- Não há nada de errado com a alegria, a felicidade (embora ela não seja dom de Deus enquanto sensação, mas sim enquanto essência). O jovem é alguém que tem que aproveitar a vida! As maiores conquistas na vida de um homem acontecem em sua juventude. Isso porque, embora quem não admita, “a juventude é como um dia de verão, a velhice como um dia de inverno”. (Schakespeare)

- Uma juventude bem vivida é digna de grande contentamento. Viver, aproveitar as oportunidades, conviver em paz com a explosão de hormônios dentro de si, envolver-se em estripulias dignas da tenra idade.. enfim, tudo isso, é muito bom... Agora, não se pode menosprezar um “mas” no verso nove.

“...mas saiba que por todas essas coisas Deus o trará a julgamento...”

- Ai, que tem muita gente que diz: “basta, para mim não dá pé... lá vem esse papo de religião!!!”.... mas, não se trata de papo religioso, se trata de revelação de Deus, que diz, assim como se nasce, se cresce, reproduz-se e morre... assim, também um dia iremos adentrar em uma nova dimensão de vida... voltaremos ao Criador... ele olhará para nós, e pedirá nossas contas! Não haverá escapatória!!!

- Há um recado de Deus que você não pode ignorar:

11 Continue o injusto a praticar injustiça; continue o imundo na imundícia; continue o justo a praticar justiça; e continue o santo a santificar-se".
12 "Eis que venho em breve! A minha recompensa está comigo, e eu retribuirei a cada um de acordo com o que fez. Apocalipse 22.11,12

a) O julgamento de Deus é extensão de sua justiça amorosa.

- Não se pode dissociar a justiça do amor de Deus... afinal de contas, a justiça de Deus é o amor dEle em ação!

- Vamos nos ater ao pensamento de Berkhof: acerca do julgamento divino, o propósito dele é:
“expor, diante de todas as criaturas racionais a glória decretativa de Deus num ato formal e forense que engrandecerá, por um lado, a Sua santidade e justiça, e, por outro lado, Sua graça e misericórdia”.

- Por isso que, não há lugar para aventureiros inconseqüentes na caminhada cristã! Quem admite para si mesmo o desafio de seguir a Cristo, precisa fazê-lo considerando todas as implicações dessa decisão. Chega de interesses humanos travestidos de interesses espirituais na “casa de Deus”! O julgamento de Deus virá, e esse é um fato patente nas Escrituras!

b) O julgamento de Deus não “robotiza” a vida, pelo contrário a redime de significado.

- O que é viver? Qual é a expressão maior da vida, a não ser alegrar-se em Deus, ter animo renovado dia a dia pelo favor diário do Senhor nas nossas vidas, andar pelos caminhos de um coração transformado à imagem de Deus Pai e por fim, um viver com um propósito nobre: agradar em cheio ao coração de Deus!

- O verso dez expõe uma realidade interessante: deve-se retirar do coração, e isso é que dá a vida um colorido especial, o desgosto (remoção de monstrinhos da alma) e o mal (aqui implícito a idéia de atos pecaminosos que ofendem a imago Dei em nós).

- Para ficar ainda mais claro: “A atividade judicial de Deus não é ´tipificada pela jovem de olhos vendados segurando uma balança nas mãos´ nem pela ´neutralidade fria de um juiz imparcial´, é, ao invés, a energia consumidora pela qual Deus deve promover o ´direito´, indo, pois, além do mero exercício da discriminação, até o estabelecimento judicial do governo real”. (Michael A. Eaton)

Ilust. Li uma ilustração interessante em um livro essa semana: “Nas mãos de um jogador experiente, um taco pode ser usado para sair de uma sinuca, matar a bola da vez, defender uma bola difícil, matar a ´sete´ e ganhar o jogo. Isso não será possível, todavia se o taco tiver sido usado de maneira errada, para escorar a porta da garagem, ou como poste para um varal de roupas, pegando chuva e sol. Agora a ponta do taco está irregular e ele ficou totalmente torto. Não importa se quem vai jogar como ele é o Rui Chapéu; jamais conseguirá um bom resultado na partida, jogando com um taco todo defeituoso”.

FT. Considere o lugar de Deus na sua vida:

02. Analisando bem o fato de que o vigor da vida física passa rapidamente:

1 Lembre-se do seu Criador nos dias da sua juventude, antes que venham os dias difíceis e se aproximem os anos em que você dirá: "Não tenho satisfação neles"; 2 antes que se escureçam o sol e a luz, a lua e as estrelas, e as nuvens voltem depois da chuva; 3 quando os guardas da casa tremerem e os homens fortes caminharem encurvados; quando pararem os moedores por serem poucos, e aqueles que olham pelas janelas enxergarem embaçado; 4 quando as portas da rua forem fechadas e diminuir o som da moagem; quando o barulho das aves o fizer despertar, mas o som de todas as canções lhe parecer fraco; 5 quando você tiver medo de altura, e dos perigos das ruas; quando florir a amendoeira, o gafanhoto for um peso e o desejo já não se despertar. Então o homem se vai para o seu lar eterno, e os pranteadores já vagueiam pelas ruas. 6 Sim, lembre-se dele, antes que se rompa o cordão de prata, ou se quebre a taça de ouro; antes que o cântaro se despedace junto à fonte, a roda se quebre junto ao poço, 7 o pó volte à terra, de onde veio, e o espírito volte a Deus, que o deu. 8 "Tudo sem sentido! Sem sentido!", diz o mestre. "Nada faz sentido! Nada faz sentido!"

- Este trecho bíblico é sobejamente conhecido... alguns aqui já ouviram dezenas de sermões baseados nele... mas, trata-se de um texto rico de aplicações para a nossa vida diária:

a) O apelo para lembrar-se de Deus, na verdade revela que temos uma facilidade incrível de nos esquecer dEle.

- Só somos orientados para nos lembrar daquilo que nos esquecemos facilmente. Ninguém se esquece da hora da almoço (ou melhor, poucos né...); ninguém se esquece do dia do pagamento; ninguém se esquece do nome da esposa ou do esposo, do filho, enfim de alguém que se ama; mas... nos esquecemos de Deus.

- Nos esquecemos de Deus quando nossa relação com Ele é vivida na perspectiva do lucro e não do relacionamento. Muitos são os que buscam a Deus interessadamente, sobretudo em benesses materiais, são os que advogam que Deus é obrigado a abençoá-los... e eles mesmos são eternamente “reféns do sistema... são os coitadinhos... os vítimas do mundo injusto e desumano...”.

- Mas, o texto diz: “lembra-te”... não se trata de uma sugestão, mas sim de um mandamento... esquecer-se de Deus é o mesmo que profetizar sobre a sua vida um conjunto de desgraças vindos sob a medida de sua negligência espiritual! É importante salientar, que Deus não considerará ninguém inocente no dia final... a “graça barata” que tentam oferecer por ai preconiza um cristianismo sem compromissos, que é o mesmo que um evangelho sem cruz!

b) Passa muito rápido o vigor da juventude, e a velhice é um tempo de grandes dificuldades.

- Olha... os versos dois a seis retratam o desconforto da velhice em todos os seus mais discriminados detalhes, se não vejamos:

(v. 2): olhos escurecidos, depressão noturna; (v.3): pernas bambas, boca desdentada, pele desgastada; (v. 4) isolamento social, audição sensível, tons tristes da alma; (v. 5) medos diversos, desvanecimento da força física, diminuição do ímpeto sexual, choro incontido dos familiares (saudade adiantada); (v.6) quedas freqüentes, insignificância profissional, forte sentimento de inutilidade...

- É de fato, a descrição de uma velhice é triste, pesarosa e chocante! Esses anos, sem Deus, tornam-se desesperadores em todos os níveis de compreensão humana! Temos que ouvir o místico cristão Thomas de Kempis: “Bem aventurado aquele que medita sempre sobre a hora da morte e para ela se dispõe a cada dia. Se já viste alguém morrer, reflete que também tu passarás pelo mesmo caminho”.

c) A morte quando vem, é um retorno para o útero divino, o mais é tudo sem sentido!!!

o pó volte à terra, de onde veio, e o espírito volte a Deus, que o deu. 8 "Tudo sem sentido! Sem sentido!", diz o mestre. "Nada faz sentido! Nada faz sentido!"

- “O maior pecado do homem. É que ele nasceu”. (Schopenhauer)“Tudo é inútil. Diz o mestre. Tudo é inútil”. (v. 8 – NCV). Agora, não podemos nos tornar reféns do fatalismo, isso não é bíblico. O livro de Eclesiastes tem um tom pessimista quando retrata a vida do homem sem Deus. Para um homem que desdenha de Deus o que fica de fato é nulidade.

- Termino com a citação de Ravi Zacharias: - “Na busca da verdade quanto a nós mesmos, nunca poderemos conhecer a nós mesmos enquanto não conhecermos a Jesus. Ele fez uma profunda declaração quando disse que veio para desvendar o coração dos homens. Esta apaixonada busca da verdade a respeito de nós mesmos só culminará quando o encontrarmos, reconhecendo que ele é a verdade. Então, e somente então, seremos livres para os propósitos do nosso Criador”.

ilust. Numa fazenda um pai morava sozinho com o seu filho.
Lá existia dois poços, um de águas limpas e cristalinas e o outro de águas sujas, todas as vezes que o filho adoecia, seu pai lhe dava da água pura e ele ficava curado.
Havia muita dificuldade em pegar as águas limpas, pois o poço era muito fundo,
já o de águas sujas transbordava, embora suas águas fossem contaminadas.
O pai sempre alertava o filho sobre o perigo de tomar das águas sujas e também o ensinava a cuidar do poço das águas puras.
O tempo foi passando e o rapaz cresceu, se achava independente e já não dava mais ouvido a seu pai, bebia sempre das águas sujas porque tinha mais facilidade em pegar e porque todos os seus amigos bebiam também daquela água e pior do que isso todas as vezes que passava pelo poço limpo lhe jogava pedra.
Conforme o tempo foi passando, se achava mais forte e jogava pedras maiores.
Um determinado dia quando o pai já não era vivo, o rapaz adoeceu e ficou muito mal, já não tinha mais seus amigos pois todos o abandonaram, todavia se lembrou das águas que curavam e do que o seu pai lhe falava, e foi buscar água no poço de águas puras, mais chegando lá não havia mais águas pois as pedras que ele jogou já tinha coberto todo o poço, e aquele rapaz veio a falecer.

SAIA DA OSTRA, RESTAURE SEUS RELACIONAMENTOS!

Eclesiastes 4.1-12

- O que temos nessa porção bíblica é uma análise social bem leal daquilo que podemos também interpretar em nosso tempo. Nunca vimos uma explosão populacional tão grande como a que estamos assistindo, mas ao mesmo tempo nunca as pessoas se sentiram tão sós. O retrato é esse mesmo: gente oprimida que nem fôlego tem mais para clamar. Já não se clama, se suspira por melhores dias!

- Agora, nem toda solidão é causada por necessidades não preenchidas no passado. Algumas são provocadas por necessidades não atendidas no presente- por exemplo, quando não se tem um amigo ou não se pertence a um grupo de pelo menos uma outra pessoa.

- “Um homem pode conservar sua sanidade e manter-se vivo enquanto existir uma pessoa esperando por ele.” (Henry Nowen)

- Eu sempre cito a música de Alceu Valença como retrato da solidão do homem pós-moderno: A solidão é fera, a solidão devora; É amiga das horas, prima, irmã do tempo; E faz nossos relógios caminharem lentos; Causando um descompasso no meu coração; Solidão...

A solidão dos astros; A solidão da Lua; A solidão da fera; A solidão da noite; A solidão da rua
A solidão é fera.... solidão da rua...

- A idéia que eu pensei para o tema, é justamente de uma ostra existencial, que tem enjaulado muita gente de transitar para a generosidade saudável. É aquilo que popularmente o povão diz: “farinha pouca, meu pirão primeiro”!

FT. Saia da ostra, restaure seus relacionamentos, por que em fazendo isso:

01. Seus olhos vão perceber o quanto o nosso mundo pode ser mais lindo!

- No texto, o pregador começa a ver o mundo... mas suas lentes estão embaçadas e o seu olhar não é preciso... ele ainda está vendo homens como árvores (Marcos 8.24). Corremos esse risco sempre, de ver as pessoas como estruturas numéricas e não seres humanos. É a “coisificação do ser humano”.

- Sempre gostei da abordagem de Naamã Mendes desse tema em seu livro “igreja lugar de vida”: “quando os seres humanos são reduzidos a números, todos têm o mesmo valor, e então podem ser substituídos automática e indiferentemente. O tratamento é não diferenciado. Torna-se um tratamento homogêneo, anônimo, impessoal, plastificado, impermeável. O valor da pessoa está no cumprir regras, horários...”

A origem de muita doença é aquilo que é destacado nos primeiros versos desse capítulo:

1 De novo olhei e vi toda a opressão que ocorre debaixo do sol: Vi as lágrimas dos oprimidos, mas não há quem os console; o poder está do lado dos seus opressores, e não há quem os console. 2 Por isso considerei os mortos mais felizes do que os vivos, pois estes ainda têm que viver! 3 No entanto, melhor do que ambos é aquele que ainda não nasceu, que não viu o mal que se faz debaixo do sol.

a) O mundo só será mais lindo se você aprender a receber ajuda.

- Esta é a primeira mão... a mão que vem... para ser ajudada... tem muita gente por ai, que é expert em ajudar, e faz na melhor das intenções, mas não sabe ser ajudada. É gente com orgulho enrustido, e isso, gente é pecado.

- As lágrimas de quem é oprimido vez por outra sai de quem um dia já foi opressor. Quando a situação ficou invertida, pintou o desespero. Há quem se prepare para tudo na vida, menos para viver! O hit da jovem guarda tinha razão (ao menos em teoria): “é preciso saber viver”.

- Henri Nowen vai denunciar algo importantíssimo: “Uma das maiores ironias da história do cristianismo é que os seus lideres constantemente caíram ante a tentação do poder- poder político, poder militar, poder econômico, ou poder moral e espiritual- muito embora continuassem a falar no nome de Jesus, que não se apegou ao seu poder divino, mas esvaziou-se a si mesmo e tornou-se como um de nós.”.

- Mais adiante ele arremata: “a maior parte da liderança cristã é exercida por pessoas que não sabem desenvolver relacionamentos sadios e íntimos, e por isso, fazem opção pelo poder e domínio”. Isso é muito sério!!!

b) O mundo só será mais lindo se você aprender a oferecer ajuda.

- No verso quatro uma constatação antropológica:

4 Descobri que todo trabalho e toda realização surgem da competição que existe entre as pessoas. Mas isso também é absurdo, é correr atrás do vento.

- Por que tanta competição? Lembro-me perfeitamente de um episódio na vida de Diógenes, o filosofo do cinismo revirando ossos no cemitério. Isso para demonstrar que a diferença entre os homens, que entre nós denominamos status, é pura besteira!

- No verso 05 uma constatação existencial:

5 O tolo cruza os braços e destrói a própria vida.

- Quando leio esse verso eu me lembro da experiência de muito play boy por ai, que vive a vida inteira sustentado pelos pais, sem experimentar do batente na vida... e, com isso vai-se definhando dia após dia... correndo de um lado para o outro atrás de um prazer fácil.

- Lutero deixou-nos escrito uma preciosa oração para se proteger da tentação, quero deixar aqui um parágrafo: “Livra-nos das sugestões do diabo, que não demos espaço ao orgulho, que não nos tornemos egoístas e que não desprezemos os outros em nome da riqueza, da posição, do poder, do conhecimento, da beleza ou de qualquer outro dom dos céus. Guarda-nos de cair no ódio ou na inveja por qualquer razão. Preserva-nos de modo que não venhamos a ceder ao desespero, a grande tentação de nossa fé, seja agora ou na hora da nossa morte”.

- E, finalmente nos versos 6 a 8, uma constatação sociológica:
6 Melhor é ter um punhado com tranqüilidade do que dois punhados à custa de muito esforço e de correr atrás do vento. 7 Descobri ainda outra situação absurda debaixo do sol: 8 Havia um homem totalmente solitário; não tinha filho nem irmão. Trabalhava sem parar! Contudo, os seus olhos não se satisfaziam com a sua riqueza. Ele sequer perguntava: "Para quem estou trabalhando tanto, e por que razão deixo de me divertir?" Isso também é absurdo; é um trabalho por demais ingrato!

- O capitalismo selvagem que estamos sendo submetidos gera a tirania do trabalho. A ética do trabalho desumano, que subsistiu o tempo em família, para o lazer e a para a devoção saudável. John Donne é que desenvolveu a seguinte metodologia para o tempo: oito horas para o descanso, oito para o trabalho e oito para as orações.

- O livro de Eclesiastes vai trabalhar com a questão do tempo. Dizendo que “há tempo para tudo”. Li um artigo que abordava a visão de tempo em Santo Agostinho (O Problema do Tempo em Santo Agostinho de Fábio Correia).

- Para Agostinho: “O que agora transparece é que, não há tempos futuros nem pretéritos. É impróprio afirmar: Os tempos são três: Pretérito, presente e futuro. Mas talvez fosse próprio dizer: os tempos são três: presente das coisas passadas, presente dos presentes, presente dos futuros. Existem pois estes três tempos na minha mente que não vejo em outra parte (grifo meu) : lembrança presente das coisas passadas, visão presente das coisas presentes e esperança presente das coisas futuras. Se me é lícito empregar tais expressões, vejo então três tempos e confesso que são três”..

FT. Saia da ostra, restaure seus relacionamentos, por que em fazendo isso:

02. Você descobrirá que o poder da vida está no encontro com o outro.

- Qual é o adorno desta vida? Como cantamos, “é o amor, é o amor”. Revendo um trecho do famoso hino me vejo pensando: num mundo em que as pessoas dizem com tanta facilidade um “eu te amo”, por que visualizamos tanta gente seca por dentro?

a) Viver prezando o encontro com o outro traz benefícios diretos.

9 É melhor ter companhia do que estar sozinho, porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas.

- Maior é o salário, o resultado do trabalho. A amizade que está espelhada nesse texto é a essência do sucesso. Há quem pense que possa ser feliz sozinho. Mas, a solidão só traz desalento e sentimento de fracasso.

- “Não há solidão mais triste e pungitiva do que a do homem sem amigos. A falta deles faz com que o mundo pareça um deserto. Aquele que é incapaz de amizade tem mais de irracional que de homem.” (Francis Bacon)

b) Viver prezando o encontro com o outro ajuda a superar as quedas na vida.

10 Se um cair, o amigo pode ajudá-lo a levantar-se. Mas pobre do homem que cai e não tem quem o ajude a levantar-se!

- E elas sempre vêm: as quedas são elementos circunstanciais na vida de qualquer pessoa que arrisca em ser um ser humano melhor! Vivemos em um tempo em que mais do nunca, as pessoas estão sensíveis quanto aos seus dramas emocionais. Nunca os consultórios estiveram tão cheios!
- Eu tenho nos meus arquivos uma mensagem com um tema interessante: “faça do limão, uma limonada”. Há um trecho que quero compartilhar:

No Salmo 119.71, o salmista disse: "Foi-me bom ter eu passado pela aflição, para que aprendesse os teus decretos". Ele soube transformar o azedume da sua alma em uma limonada. William James disse: "As nossas enfermidades auxiliam-nos de maneira inesperada." Veja: Só depois que Milton ficou cego, que escreveu sua melhor poesia.Beethovem compôs sua melhor música, depois que ficou surdo. Se Deus está lhe dando um limão, faça dele uma limonada. O pensador Harold disse: "Eu estava triste porque não tinha sapatos, até que, ao subir a rua, encontrei um homem que não tinha pés".
c) Viver prezando o encontro com o outro produz aquecimento ao coração.

11 E se dois dormirem juntos, vão manter-se aquecidos. Como, porém, manter-se aquecido sozinho?

- A frieza nos corações é causada sobretudo por decepções. São muitos os casos em que em um relacionamento houve toda uma dedicação, um esforço em acertar, em se dar bem, e como “prêmio”, conquistou-se o acinte e o deboche!

- Mas, a palavra de ordem é: não desista. Pois, pessoas são falhas umas com as outras na mesma proporção que nós somos falhos com os outros. Isso é fato! Não há ninguém perfeito. O amor não olha para a imperfeição do outro.

- Henri Drummond disse: “O amor não consegue ser agressivo ou inconveniente, não consegue comportar-se de maneira errada. Você pode ser a pessoa mais tímida do mundo, mais despreparada para lidar com o próximo- mas, se tiver um reservatório de amor em seu coração, sempre agirá da maneira certa”.

d) Viver prezando o encontro com o outro torna o crente um invencível.

12 Um homem sozinho pode ser vencido, mas dois conseguem defender-se. Um cordão de três dobras não se rompe com facilidade.

- E esse principio da invencibilidade não tem nada a ver com o chamado “evangelho da prosperidade” que o crente não sofre, tem que ser rico e quando isso não acontece é só decretar... e shazam, tudo acontece! A invencibilidade tem a ver com intimidade com Deus!

- São três dobras: você, seu irmão e Deus! - Vivendo para a glória de Deus você dependerá única e exclusivamente dele para a sua subsistência... você terá de viver seguindo a “filosofia de vida” de George Muller (1805-1898), que acredito ser o estilo de vida do discípulo de Jesus.

- Miller chegou a manter em seus sessenta anos de ministério: iniciou 117 escolas que educaram mais de 120.000 jovens e órfãos; distribuiu 275.000 Bíblias completas em diferentes idiomas além de grande quantidade de porções menores; sustentou 189 missionários em outros países; e sua equipe de assistentes chegou a contar com 112 pessoas, um orfanato na Inglaterra com cinco prédios construídos por ele mesmo, com nada menos que 2000 órfãos sendo alimentados, vestidos, educados e treinados para o trabalho. Ao todo, pelo menos dez mil órfãos passaram pelos orfanatos durante sua vida. Só a manutenção destes órfãos custava 26 mil libras por ano. Nunca ficaram sem uma refeição, mas muitas vezes a resposta chegava na última hora. Às vezes sentavam para comer com pratos vazios, mas a resposta de Deus nunca falhava.

- No decorrer da sua vida, Müller recebeu o equivalente a sete milhões e meio de dólares, como resposta de Deus. Além de nunca divulgar suas necessidades, ele tinha um critério muito rigoroso para receber ofertas. Por mais que estivesse precisando (pois em milhares de ocasiões não havia recursos para a próxima refeição), se o doador tivesse outras dívidas, se tivesse evidência de que havia alguma atitude errada, ou alguma condição imprópria, a oferta não era aceita.

QUANDO O TER NÃO SATISFAZ O SER!

Eclesiastes 2

- A pior impressão que alguém pode ter em sua vida é a sensação de que tudo o que se construiu, os valores que se amealhou ao longo do caminho, as pessoas que passaram pelas estradas poeirentas dos relacionamentos interpessoais, os sonhos semeados pelo Agricultor da Vida... enfim, tudo isso foi apenas “correr atrás do vento”.

- Questiona-se muito sobre qual seria o sentido da vida. Inclusive é conhecido o testemunho do psicólogo Vitor Frankl que desenvolveu em um campo de concentração sua escola psicanalítica denominada justamente “logoterapia” (terapia do sentido).

- Eu tenho uma e outra leitura nessa linha... e no livro de Frankl “em busca do sentido- um psicólogo no campo de concentração”, ele fala de seu calvário pessoal dentre as muitas vitimas do Holocausto e desenvolve o que seriam os conceitos fundamentais da logoterapia.

- Numa parte do livro ele fala sobre o que acredito será válido para nossa consideração nesta mensagem. Ele comenta sobre o “vazio existencial”, como um fenômeno bem difundido isso já no séc. XX (quanto mais em nossos dias!!!)... esse vazio é provocado pelo estado de tédio que as pessoas vem sendo submetidas, sobretudo nesse processo de automação nas fábricas que tem aumentado o horário de lazer das pessoas...

- Nesse ponto, Frankl fala daquilo que ele chama de “neurose dominical”, que é aquela espécie de depressão que acomete pessoas que se dão conta da falta de conteúdo em suas vidas quando passa o corre-corre da semana atarefada e o vazio dentro delas se torna manifesto.

- Isto é bastante comum, incluindo nós os crentes também, que vez por outra nos vemos seduzidos pelo “vil metal”. O editor do livro, falando por Salomão foi muito enfático ao destacar que toda a sua busca por saciedade no materialismo não havia dado sossego ao seu coração.

FT. O ter não satisfaz o ser quando:

01. O isolamento social passa a ser um estilo de vida pessoal. (vv. 1,2)

“1 Eu disse a mim mesmo: Venha. Experimente a alegria. Descubra as coisas boas da vida! Mas isso também se revelou inútil. 2 Concluí que o rir é loucura, e a alegria de nada vale.3 Decidi entregar-me ao vinho e à extravagância, mantendo, porém, a mente orientada pela sabedoria. Eu queria saber o que vale a pena, debaixo do céu, nos poucos dias da vida humana.”

- Há aqui um monólogo com a própria alma, um grito desesperado de si mesmo para si mesmo! De alguém que chega a infeliz conclusão que sozinho irá resolver os seus problemas. Esta atitude é bastante comum entre os pobres homens ricos por ai... há inclusive outro exemplo bíblico no chamado “rico insensato”.

- Há algum tempo eu preguei sobre o advento da pós-modernidade e citei a seguinte frase de Rubem Amorese: “O cidadão moderno, o cidadão moderno é solitário, é caótico, é incontrolável, inconformado, rebelde, insubmisso. Numa palavra, ele é órfão.”

- A solidão acaba sendo a única companhia do auto suficiente que acredita demais em si mesmo, mas quando vai sondar o coração, percebe tristemente que o que ele tem é um rombo enorme, uma verdadeira cratera na alma!

a) O ser humano isolado começa a querer viver uma liberdade que travesti uma libertinagem.

“1 Eu disse a mim mesmo: Venha. Experimente a alegria. Descubra as coisas boas da vida! Mas isso também se revelou inútil.”

- Estamos vivendo um tempo que tem tiranos muito atrozes, dentre esses é bem batente a tirania das sensações. Vivendo sob o domínio das emoções o homem de hoje tem o prazer como um fim último para a sua vida. O que temos aqui estampado no texto é algo bem parecido com o que foi desenvolvido por Epicuro (séc. IV).

- Lembrando um pouco dessa escola filosófica vou me ater ao que comentou R.C. Sproul limitando assim minha incursão no campo da filosofia: “Os epicureus buscavam um gozo refinado e sofisticado do prazer, portando-se com moderação... Eles entendiam que há diferentes tipos de prazer: há os prazeres da mente, além dos prazeres do corpo...”.

- Ainda, “os epicureus procuravam escapar do ´paradoxo hedonista´: a busca do prazer acaba apenas em frustração (quando o objetivo não é alcançado) ou em tédio (quando se atinge o objetivo).... Por isso, os epicureus buscavam não o prazer máximo, mas o prazer ótimo. Eles concluíram que a dieta de pão e água de um sábio tem mais chances de lhe trazer felicidade do que a comida excelente de um glutão”.

- Por mais que possa parecer algo nobre essa busca do prazer refinado se compararmos com os bacanais greco-romanos, o que a ideologia epicurista anuncia não consegue remover do coração do homem um vazio existencial. E, quase sempre, como não há limites tão rígidos assim entre uma e outra expressão de prazer, a verdade é que um prazer sofisticado hoje pode vir a descambar em um prazer promíscuo amanhã. E tanto um quanto o outro pode ser taxado de libertinagem.

- O liberalismo teológico tão em moda nos nossos dias em nossos seminários e igrejas, adentrando também nas nossas casas povoando a mente de nossos jovens líderes pela Internet, pressupõe um sonho: o sonho de ver os absolutos se romperem, e um tempo de luxúria sendo inaugurado, tudo em nome do “evangelho”.

- Daí em nome do “tudo pode” do liberalismo nos vemos diante da seguinte constatação salomônica: o rir é loucura, e a alegria de nada vale. Afinal de contas, e quando o efeito orgástico das compras, dos shows, dos carnavais, das noites não dormidas, dos protestos inconseqüentes, dos “barracos armados”, enfim de toda a liberação geral acabar... e ai, fica o que:o gosto do nada na boca!

b) Quando se vai ver... a pessoa está sendo enganada por um falso senso de auto controle.

“Decidi entregar-me ao vinho e à extravagância, mantendo, porém, a mente orientada pela sabedoria. Eu queria saber o que vale a pena, debaixo do céu, nos poucos dias da vida humana.”

- É sempre assim: eu bebo, mas eu sei quando eu devo parar. Eu conheço o meu limite. A pergunta que não quer se calar é: “será?”. A lógica do boteco (que a mesma da lógica do barzinho nas casas de classe média) é hedonista e cega. Trata-se da tentativa de buscar o prazer pelo prazer. Trata-se de um suicídio à base de conta gotas!

- Um fato que muita gente prefere ignorar é que um dia prestaremos contas de nossos atos diante de Deus. Pregando no texto de Daniel 5 fiz algumas considerações que julgo serem oportunas

- A paciência de Deus conosco não significa que devemos testar os seus limites. Não sabemos quando estaremos diante dEle para enfrentar seu julgamento”. (Josh McDowell, teólogo)

- “Seus dias foram contados, seus feitos foram pesados na balança de Deus, e o que você tem será dividido”

a) Seus dias serão contados (MENE, MENE)

- Só aí entendemos o Salmo 90.12: “Ensina-nos a contar os nossos dias, de tal maneira, que alcancemos corações sábios”. (Salmo 90.12)

b) Seus atos serão pesados (TEQUEL)

- Pergunta que não quer se calar: - Quando eu peso na balança de Deus?

- “Você foi pesado na balança da justiça e da verdade, na santa e justa lei de Deus, tal como o ouro, as jóias e as pedras preciosas são pesados para se determinar o seu valor... e você foi encontrado em falta, como se fosse ouro adulterado, escória de prata, moedas falsas e pedras preciosas falsificadas, encontrado como inútil como homem, príncipe iníquo, a quem faltam as qualificações necessárias da sabedoria, da bondade, da misericórdia, da verdade e da justiça”. (John Gill)

c) Seus despojos serão compartilhados com seus inimigos. (UFARSIM)

- Tem gente que não gosta de admitir a existência do inferno, julgam que um Deus bondoso não iria permitir uma punição eterna. Mas, o próprio caráter de Deus justifica a existência do inferno!

- As imagens bíblicas para inferno são: “fogo eterno” (Mat. 25.41 e Mar. 9.48), “castigo eterno” (Mat. 25.46 e Apoc. 14.10,11), “trevas exteriores” (Mat. 8.21), entre outras.

- Concordo com o prof. Hammett, “no inferno não haverá nada que venha de Deus, só maldade. Será separação final, sem mais oportunidade de arrependimento, será um castigo eterno.”

Ilust. século do XVII, escrito pelo Frei Antônio das Chagas

"Deus pede estrita conta do meu tempo
E eu vou, do meu tempo, dar-lhe conta.
Mas, como dar, sem tempo, tanta conta.
Eu, que gastei, sem conta, tanto tempo?

Para dar minha conta feita a tempo,
O tempo me foi dado, e não fiz conta;
Não quis, sobrando tempo, fazer conta.
Hoje, quero acertar conta, e não há tempo.

Oh, vós, que tendes tempo sem ter conta,
Não gasteis vosso tempo em passatempo.
Cuidai, enquanto é tempo, em vossa conta!

Pois, aqueles que, sem conta, gastam tempo,
Quando o tempo chegar, de prestar conta
Chorarão, como eu, o não ter tempo..."

FT. O ter não satisfaz o ser quando:

02. O materialismo passa a dominar o coração humano. (vv. 4-11)

- A porção maior do texto vai descrever o fato de que, na realidade o materialismo não supre a maior necessidade do ser humano, que é o próprio Deus em intimidade com o homem. Hans Burki vai dizer que “saber que há um Deus não é o bastante, é preciso ainda saber quem ele é, e o que ele é para mim. Então, a verdadeira pergunta é: ´Quem é essa suprema Realidade, e como saberei com certeza o que ela é para mim?´”

- “O materialismo é perigoso porque ele é a prática da cobiça. A cobiça rege o nosso íntimo. Ela é como uma inundação que rompe os muros do nosso coração e transborda para fora de nossas vidas, naufragando em destruição. A cobiça faz com que a felicidade consista em coisas e não em pensamentos. Não deixe que dinheiro, posses e desejos carnais tornem-se mais importantes para você do que o ser útil para Deus e o Seu povo. Cada desejo irá esvaziá-lo e diminuí-lo. Ela irá azedar seu gosto pelo ministério.”

a) Uma expressão bem nítida da cobiça do homem é a auto-suficiência.

- Os verbos em todos os versos do quatro ao nove, são conjugados sempre na primeira pessoa do singular. Não havia ninguém a agradecer, tudo havia sido consumado pelo “eu todo poderoso” (lembro-me do filme, em que atua Jim Carrey).

- Quando se distancia de Deus o homem passa a viver como um irracional. Isso porque ele passa a ser escravo de suas sensações. É sabido que o homem sem Deus é alguém guiado por uma moral sem absolutos e uma ética completamente distorcida.

- Os especialistas comentam sobre o livro de Eclesiastes: “O Pregador deseja livrar-nos de uma vida cor-de-rosa, de autoconfiança, sem Deus, com o inevitável cinismo e amargura que a acompanham; quer livrar-nos, ainda, da confiança na sabedoria, no prazer, nas riquezas, na justiça e integridade humanas. Seu desejo é levar-nos a ver que Deus está presente, que Ele é bom e generoso, e que apenas esta perspectiva torna a vida coerente e cheia de significado”.

b) Agora é fato: quando a última cena do filme da vida for desenrolada o resultado será o senso de inutilidade absoluta.

- É muito perigoso buscar a qualquer custo a felicidade na vida. Questiono se, de fato Deus nos criou para buscarmos a felicidade! Vou pensar junto com um escritor evangélico de Brasília, o Rubem Amorese:

# A felicidade é um estado de alma, logo “posso estar alegre e ser infeliz ou estar triste e ser feliz”. Felicidade tem a ver com saciedade, e sabemos que essa sensação de satisfação plena nunca teremos aqui nessa dimensão terrena.

# De quem devemos cobrar a “cota pela nossa felicidade”... não existe “mensalões para a felicidade”, e se existisse, quem pagaria? Não há nas Escrituras um convite para a felicidade!

- Daí, posso concordar com o Amorese: “sim, agora dou-me conta de que Cristo não veio trazer felicidade. Pelo menos não essa felicidade a que todos pensam ter direito, sob pena de ação judicial. O que nos legou, como resultado da reconciliação com Deus foi sua paz. Uma paz que o mundo não pode dar - e também não pode tirar”.

- Não adianta correr, é taxativa a avaliação de tudo isso, por parte do pregador:

11 Contudo, quando avaliei tudo o que as minhas mãos haviam feito e o trabalho que eu tanto me esforçara para realizar, percebi que tudo foi inútil, foi correr atrás do vento; não há nenhum proveito no que se faz debaixo do sol.

Ilust. Certo homem, muito rico, comprou, a um preço bastante alto, uma pintura famosa de Jesus. Trazendo o quadro para sua casa, procurou um lugar apropriado onde deveria colocar sua nova obra de arte. Percebendo que estava encontrando dificuldades para achar a parede adequada, contratou um arquiteto que, examinando cuidadosamente o quadro e toda aresidência, disse: "Homem, você não pode ajustar esse quadro à sua casa. Você deve fazer uma nova casa que se ajuste ao quadro!"